Salário Mínimo Nacional

Jerónimo garante que não desiste de salário mínimo em 650 euros

O líder do PCP garante que não vai desistir do aumento do salário mínimo nacional para 650 euros no próximo ano. "O caminho da valorização dos salários é bom para a economia", diz.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, garantiu na quinta-feira, na Moita, distrito de Setúbal, que não vai desistir do aumento do salário mínimo nacional para 650 euros no próximo ano.

“[Este é] um combate que não desistimos de travar, apesar da oposição do PS, PSD e CDS ao projeto de valorização do salário mínimo que o PCP apresentou na Assembleia da República debatido há dias. São os trabalhadores que produzem a riqueza e a riqueza tem de ser distribuída de forma mais justa”, referiu Jerónimo de Sousa numa sessão pública sobre a intervenção do PCP.

O líder comunista frisou que o PCP vai continuar a lutar pela valorização geral dos salários, incluindo a fixação do salário mínimo nacional em “650 euros em 01 de janeiro de 2019”.

“Nós que falamos aqui em reformas, não tenhamos ilusões. Enquanto existirem baixos salários, existirão baixas reformas e a luta pela valorização dos salários é uma batalha importante”, frisou.

O secretário-geral comunista defendeu, também, que os dados estatísticos da atualidade mostram como as “teorias do Governo PSD e CDS” estavam erradas e que não era preciso “exploração e empobrecimento”.

“O Governo PSD e CDS dizia que era preciso fazer sacrifícios, que era inevitável que a política de exploração e empobrecimento prosseguisse tanto naqueles quatro anos, como nos anos seguintes se fossem Governo. E, afinal, a vida provou que não era inevitável esse caminho da exploração e empobrecimento. Afinal os dados estatísticos mostram que a economia cresceu e que as pessoas têm capacidade de consumo”, apontou.

Para Jerónimo de Sousa, “o caminho da valorização dos salários é bom para a economia, é bom para o país e é bom para os trabalhadores”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As aventuras da coerência /premium

Paulo Tunhas

Até certa altura pensei que a chamada “esquerda” era depositária da tradição de liberdade e garantia da democracia. Mas uma observação das suas reacções políticas mostra algo diferente e inquietante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)