Amália Rodrigues

O testamento de Amália nunca foi cumprido. A casa de férias da fadista é agora um alojamento local

3.335

A casa de férias de Amália Rodrigues, no Brejão, é agora um alojamento local gerido por um amigo do presidente da fundação com o nome da artista. O testamento de Amália nunca foi cumprido.

Amália morreu em outubro de 1999, aos 79 anos

MANUEL MOURA/LUSA

A casa de férias de Amália Rodrigues, localizada no Brejão, no concelho alentejano de Odemira, é agora um alojamento local gerido por um amigo do presidente da fundação com o nome da artista. De acordo com uma investigação do programa da RTP “Sexta às 9”, o testamento da fadista nunca foi cumprido e a fundação beneficia ainda de isenções fiscais a que não tem direito.

Amália, que morreu em outubro de 1999, há 19 anos, deixou os direitos de autor e royalties, em partes iguais, aos quatro sobrinhos e os bens móveis e imóveis à instituição de uma fundação. A intenção da fadista era ainda que 15% dos rendimentos dessa mesma fundação fossem doados à Casa do Artista, enquanto que outros 15% seriam para o Centro de Saúde e Enfermagem no Brejão. Na presidência da fundação ficou, a título vitalício, o advogado que fez o testamento – Amadeu Aguiar -, e depois o filho, João Aguiar.

O anúncio relativo à casa de férias de Amália Rodrigues no site booking.com

A investigação do programa da RTP explica que o Centro de Saúde e Enfermagem do Brejão recebeu, anos depois da morte de Amália, “cerca de 30 mil euros para a construção de dois gabinetes”. Já a Casa do Artista garante que nunca recebeu qualquer verba prevista no testamento da artista. Em resposta ao “Sexta às 9”, a Fundação Amália Rodrigues indicou que “face a circunstâncias várias, nunca apresentou resultados líquidos anuais, entenda-se, lucros”, — ainda que nunca explique por que motivo — e afirma que a fundação entendeu dar 15% dos juros capitalizados por cada ano do prejuízo que constituíam esses “rendimentos líquidos anuais” à Casa do Artista. Além disso, a fundação com o nome da fadista acrescenta ainda que “a Casa do Artista desde o início de posicionou contra a Fundação Amália Rodrigues, por motivos que a fundação desconhece, tendo inclusivamente recusado o recebimento de um cheque”.

A fundação que gere o património, e que tem sede na antiga casa de Amália em Lisboa, recebeu o estatuto de utilidade pública em 2007, pelo então primeiro-ministro José Sócrates, com efeitos retroativos, numa altura em que devia 2,3 milhões de euros ao fisco – relativos ao antigo imposto sucessório. O advogado Paulo Veiga Moura, entrevistado na reportagem, garante que “o objetivo terá sido, de uma forma apressada, libertar a Fundação Amália Rodrigues de um conjunto de dívidas fiscais”. A dívida foi então perdoada, a fundação não paga IMI e está ainda isenta do pagamento do IRC desde 2008, tudo isto à margem da lei. “Se está a ter benefícios fiscais, está a tê-los porque a lei não foi cumprida e de uma forma claramente ilegal”, acrescenta Paulo Veiga Moura.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)