Rádio Observador

Cinema

“Peregrinação”, filme português candidato aos Óscares, exibido em Londres

O candidato português a uma nomeação para os Óscares em 2019 vai ser apresentado a 16 de novembro, na sexta edição das sessões do IndieLisboa em Londres, juntamente com três curtas-metragens.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O candidato português a uma nomeação para os Óscares em 2019 vai ser apresentado a 16 de novembro, na sexta edição das sessões do IndieLisboa em Londres, juntamente com três curtas-metragens.

A longa-metragem, realizada por João Botelho, adaptou para o cinema episódios do livro “Peregrinação”, de Fernão Mendes Pinto, impresso pela primeira vez em 1614, que relata a presença de portugueses no Oriente através das crónicas de viagens do autor.

O filme é protagonizado por Cláudio da Silva, à frente de um elenco que inclui ainda, entre outros, Catarina Wallenstein, Pedro Inês, Maya Booth, Cassiano Carneiro, Rui Morisson, Jani Zhao e Zia Soares, e tem como banda sonora “Por este rio acima”, do músico Fausto Bordalo Dias, interpretado por um coro masculino.

O filme foi escolhido pela Academia Portuguesa de Cinema para a competição de melhor filme estrangeiro, tanto dos prémios Goya (Espanha) como dos Óscares (EUA), cujos vencedores serão conhecidos, respetivamente, a 2 de fevereiro e 24 de fevereiro.

No mesmo dia, 16 de novembro, em Londres, serão projetados, na sala The Castle Cinema, “Instruções para uma revolução”, de Tiago Rosa-Rosso, inspirado pelo livro “O Torcicologologista, Excelência”, de Gonçalo M. Tavares”, “War of the Worlds”, de Manuel Brito, uma adaptação da obra homónima de Orson Wells, e o “Os Mortos”, de Gonçalo Robalo, um documentário em que o realizador recorda familiares que já morreram.

No primeiro dia das sessões, a 15 de novembro, o programa será composto por apenas um filme, “Colo”, de Teresa Villaverde, que teve estreia mundial em fevereiro do ano passado, no festival de cinema de Berlim, e foi distinguido posteriormente com o grande prémio Bildrausch Ring of Cinema Art, no festival suíço Bildrausch, e o Prémio Sauvage, principal galardão do 13.º Festival “L’Europe Autour de l’Europe”, em Paris.

Teresa Villaverde escreveu, produziu e realizou a longa-metragem, que reflete, ainda que indiretamente, os efeitos e os estilhaços da crise económica numa família de classe média, interpretada por João Pedro Vaz e Beatriz Batarda.

São personagens desamparadas, vítimas de um problema de comunicação: “Estão nitidamente perdidos, sem colo e sem saber sequer onde é que hão de procurar esse colo e resolver as coisas. E eu, que estou a olhar para eles, também não sei o que lhes hei de dizer. O filme é muito isso”, descreveu a realizadora à agência Lusa, quando o filme passou em Berlim.

“Apesar de este filme não ser sobre a situação portuguesa, inclui também isso e tudo o que eu senti que se passou nestes últimos anos”, contou.

No filme entram ainda os atores Alice Albergaria Borges, a adolescente da família que se desmorona, Tomás Gomes, Clara Jost, Rita Blanco e Simone de Oliveira, entre outros atores.

As sessões do IndieLisboa começaram em 2013, fruto de uma parceria entre o IndieLisboa Festival Internacional de Cinema e a plataforma Portuguese Conspiracy, que promove eventos no Reino Unido, beneficiando do apoio do Instituto Camões.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)