Iémen

Forças militares pró-governamentais iemenitas tomam hospital de Hodeida

As forças militares pró-governamentais iemenitas tomaram o maior hospital da cidade estratégica portuária de Hodeida, tendo feito pelo menos dois prisioneiros rebeldes huthi.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As forças militares pró-governamentais iemenitas tomaram o maior hospital da cidade estratégica portuária de Hodeida, tendo feito pelo menos dois prisioneiros rebeldes huthi, afirmaram este sábado fontes oficiais militares.

Os militares pró-governamentais, apoiados por ataques da aviação saudita, entraram na cidade de Hodeida na quinta-feira, tendo avançado alguns quilómetros para sul e para leste em direção ao porto e, na noite de sexta-feira, tomaram o Hospital de 22 Maio aos rebeldes, segundo as mesmas fontes.

O Hospital de 22 de Maio é a principal instalação de saúde da cidade e serve de plataforma para que os aviões médicos aterrem e levantem.

A ofensiva militar em Hodeida foi suspensa em julho para dar tempo aos esforços dos mediadores da ONU – Organização das Nações Unidas.

Após o fracasso, em setembro, da mediação da ONU para chegar a um acordo político, a coligação anunciou que retomava o assalto à cidade de Hodeida, o que se intensificou a partir de 01 de novembro.

Desde 2015 que as forças lealistas, que fazem parte da coligação militar liderada pela Arábia Saudita, tentam derrotar os huthis em vastas regiões no norte e do centro do país, incluindo a capital Saana, e que são apoiados pelo Irão.

Centenas de milhares de iemenitas fugiram da zona de Hodeida devido a esta ofensiva da coligação liderada pelos sauditas para tomar a cidade portuária do mar Vermelho aos rebeldes xiitas, de acordo com a agência da ONU para os refugiados.

Cerca de 445.000 dos residentes de Hodeida fugiram desde junho, um número que sublinha a difícil situação que se vive dentro e à volta da cidade que serve de principal ponto de entrada para alimentos e ajuda humanitária, indicou o Alto-Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

A população daquela região é de cerca de três milhões de habitantes, de acordo com números do Conselho de Refugiados Norueguês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)