Rádio Observador

Agricultura

Maçã de Alcobaça com quebra de 30% devido às altas temperaturas

As elevadas temperaturas reduziram a colheita a 40 milhões de toneladas do fruto, sendo que os produtores de maçã de Alcobaça estimavam colher este ano 50 milhões de quilos.

PAULO CUNHA/LUSA

A maçã de Alcobaça registou este ano uma quebra de 30% na produção, devido às elevadas temperaturas que reduziram a colheita a 40 milhões de toneladas do fruto com Indicação Geográfica Protegida (IGP).

Dos 50 milhões de quilos que os produtores de maçã de Alcobaça estimavam colher este ano, apenas foram produzidos “40 milhões de quilos, na maioria com calibres mais pequenos do que os habituais”, disse à agência Lusa Jorge Soares, presidente da Associação do Produtores de Maçã de Alcobaça (APMA).

A “quebra de 30%” na produção da maçã deveu-se “às elevadas temperaturas registadas no Verão, que impediram a maçã de crescer”, explicou o mesmo responsável. Acima dos 35 graus, “a maçã não cresce tanto e, se atingir os 38 graus, para por completo”, adiantou Jorge Soares, sublinhando que essas temperaturas penalizaram, sobretudo, “as qualidades [de maçã] Fuji, com quebras superiores a 40%, e Royal Gala, com quebras a rondar os 37%”. Ainda assim, “apenas o calibre da fruta foi afetado”, mantendo-se “o sabor e a dureza” característicos da maçã qualificada como IGP – Indicação Geográfica Protegida desde 1994.

Apesar da quebra, a APMA estima que a comercialização da maçã de Alcobaça movimente “entre 35 a 40 milhões de euros”, dos quais a maior tranche deverá corresponder ao mercado nacional, devendo a exportação “descer dos 27% [na anterior campanha] para entre 10 a 15%”.

Inglaterra, Brasil, Irlanda, Emirados Árabes Unidos, Cabo Verde e Angola vão manter-se como os principais países para onde a maçã de Alcobaça será exportada, mas, pela primeira vez, esta semana, a maçã IGP “vai ser comercializada em Espanha”.

O novo mercado surge no âmbito da relação entre a APMA e a cadeia de supermercado Lidl, que, nos últimos 10 anos, contabilizou “mais de 20 mil toneladas vendidas” em Portugal, divulgou a associação.

A cadeia que nos últimos sete anos manteve a posição de maior comprador desta maçã e que vendeu na última década “150 milhões de maçãs certificadas” anunciou na sexta-feira, em Alcobaça, que “irá iniciar também a exportação da maçã de Alcobaça, sendo Espanha o primeiro mercado internacional escolhido”, revelou Jorge Soares à Lusa.

A maçã de Alcobaça é produzida num sistema de produção integrada, com controle da qualidade e do equilíbrio do meio ambiente. Inicialmente, foi reconhecida uma área geográfica abrangendo os concelhos de Alcobaça, Nazaré, Óbidos, Caldas das Rainha e Porto de Mós. Posteriormente, a área foi alargada a Batalha, Bombarral, Cadaval, Leiria, Lourinhã, Marinha Grande, Peniche, Rio Maior e Torres Vedras.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)