Rádio Observador

União Europeia

Presidente da Roménia diz que país não está preparado para assumir presidência da UE: “A situação está fora de controlo”

O Presidente da Roménia considera que o governo não está preparado para assumir a presidência rotativa da UE em janeiro e apelou à demissão do Governo: "A situação está fora de controlo".

PATRICK SEEGER/EPA

O Presidente da Roménia considerou esta segunda-feira que o seu país não está preparado para assumir a presidência rotativa da União Europeia (EU) em 1 de janeiro de 2019, e apelou à demissão do Governo. O Presidente Klaus Iohannis considerou que “a situação está fora de controlo” e referiu-se à “necessidade política de substituir o Governo”, definido como “um acidente da democracia romena”.

Viorica Dancila, uma política pouco conhecida que assumiu o cargo de primeira-ministra em janeiro, possui um poder reduzido no executivo apoiado pelo Partido Social-democrata (PSD) já que o poderoso dirigente deste partido, Liviu Dragnea, continua na prática a dirigir as políticas do país. Dragnea, que no passado assumiu diversos cargos executivos, não pode ser designado chefe do Governo devido a uma condenação por manipulação de resultados num ato eleitoral.

“Chegámos à 12.ª hora e estamos totalmente impreparados”, disse Iohannis. “Não existe qualquer possibilidade de um bom governo ou de um envolvimento apropriado nos assuntos europeus”. O Presidente da Roménia considerou ainda que “no Governo, ainda não é claro quem são as pessoas com responsabilidade”, acrescentando: “As pessoas que deveriam ocupar-se com a presidência da UE demitiram-se ou foram dispensadas”.

O ministro romeno dos Assuntos Europeus, Victor Negrescu, responsável pela preparação da presidência romena da UE, demitiu-se inesperadamente na semana passada. Responsáveis oficiais tinham aparentemente manifestado descontentamento pelo sucesso de Negrescu na melhoria das relações com a Comissão Europeia, o ramo executivo da UE.

O líder do PSD, Liviu Dragnea, considerou que as declarações do chefe de Estado, ex-líder do Partido Nacional Liberal (PNL, centro-direita) e o seu principal rival político, constituem “um enorme prejuízo para a Roménia”.

A Roménia tem-se confrontado com uma vaga de protestos relacionada com uma reforma do sistema judicial impulsionada pelo atual Governo social-democrata, muito criticada por Bruxelas, a oposição e as chancelarias ocidentais, em particular por suavizar o combate à corrupção.

Em outubro, a Comissária europeia para a Justiça, a checa Vera Jourová, manifestou preocupação pelas capacidades da Roménia em assumir a presidência rotativa quando optou por minimizar os problemas internos, em particular o combate à corrupção.

A UE divulga na terça-feira o seu último relatório sobre os sistemas judiciais na Roménia e Bulgária. O bloco comunitário tem acompanhado com particular atenção a evolução dos dois países, devido às preocupações relacionadas com corrupção, sistemas de justiça e crime organizado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)