O primeiro ministro espanhol, Pedro Sánchez, tornou-se o terceiro responsável político europeu, depois dos primeiros-ministros de Malta e da República Checa, a advertir o governo britânico para a importância de um segundo referendo ao Brexit, recomendando uma reconsideração estratégica da saída da União Europeia.

“É verdade que estamos à beira de assinar o acordo de transição”, afirmou Sánchez, em entrevista ao Politico. “[Mas] gostaria de ver o governo britânico pedir um segundo referendo. Não digo agora, mas num futuro, de forma a ser possível reverter esta situação e poderem integrar novamente a União Europeia”, concluiu.

Se eu fosse a May, pediria um segundo referendo. Sem dúvida”, disse em entrevista ao Politico.

Pedro Sánchez diz que o efeito de implosão que o Brexit causará no Reino Unido influenciará os restantes países europeus. O responsável acredita que a saída do Reino Unido da União Europeia terá efeitos nefastos para ambas as partes e referiu, ainda, a “influência positiva” do Reino Unido nas políticas europeias e que o efeito de “auto-absorção” do Brexit “não será bom para ninguém, nem para o Reino Unido, nem para a Europa.”

Theresa May obrigada a cancelar conselho de ministros desta segunda-feira