Rádio Observador

Medicamentos

Programa de acesso gratituto aos medicamentos já ajudou 3.000 famílias

A Associação Dignitude ajudou, em três anos, cerca de 6.000 beneficiários em todo o país, entre idosos e crianças, a adquirirem 120 mil medicamentos de forma completamente gratuita.

Scott Barbour/Getty Images

A Associação Dignitude ajudou, em três anos, cerca de 6.000 beneficiários em todo o país, entre idosos e crianças, a adquirirem 120 mil medicamentos de forma completamente gratuita, disse esta segunda-feira fonte do programa.

Esta segunda-feira, em Alijó, a Associação Dignitude e o município local assinaram o 100.º protocolo no âmbito do Programa ABEM que tem como objetivo garantir que agregados com carência económica tenham acesso aos medicamentos de que precisam.

“Em Portugal, um em cada cinco portugueses não consegue comprar os medicamentos de que mais precisam. A crise económica agravou essa situação mas, com estes protocolos, tentamos minimizar o impacto que essa crise teve e continua a ter”, afirmou Francisco Faria, presidente da Dignitude e vice-presidente da Associação Nacional das Farmácias. O responsável destacou ainda que “um quarto dos beneficiários são crianças até aos 18 anos”.

Criada há cerca de três anos, a associação Dignitude já abrangeu mais de três mil famílias, o que perfaz cerca de 6.000 beneficiários, a adquirirem 120 mil medicamentos. Possui à volta de 540 farmácias aderentes e 100 entidades parceiras, entre câmaras, juntas de freguesias e Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

Francisco Faria explicou que os beneficiários têm acesso a “todos os medicamentos prescritos e comparticipados de forma completamente gratuita nas farmácias aderentes”. Os apoios são concedidos através de um fundo, para o qual contribuem as entidades parceiras e ainda iniciativas como campanhas de doações.

O fundo tem vários princípios, entre eles a inclusão e o anonimato. “O estigma da carência não pode acompanhar a pessoa na aquisição dos medicamentos”, salientou Francisco Faria. O responsável disse que “nos balcões das farmácias todos os dias aparecem pessoas com dificuldades” e, por isso, frisou que o projeto “continua a ser muito pertinente e vai continuar a fazer a diferença nos portugueses”.

O presidente da Câmara de Alijó, José Paredes, afirmou que o programa entra em vigor a partir de janeiro de 2019 neste concelho do distrito de Vila Real. “Queremos atingir, nesta primeira fase, 500 pessoas carenciadas do concelho. É um ótimo investimento, um investimento nas pessoas, na qualidade de vida e na saúde”, salientou o autarca. Os beneficiários terão que dispor de um cartão do município para acederem ao apoio.

Além de Alijó, em Trás-os-Montes também são parceiras do projeto as câmaras de Carrazeda de Ansiães e Torre de Moncorvo. Francisco Faria adiantou que, até ao final ano, serão assinados mais 10 protocolos, elevando o programa ABEM para os 110 parceiros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicamentos

Sobre as Matildes

Fernando Leal da Costa
138

Queixamo-nos de que pagamos demasiados impostos. Há quem prometa baixá-los, quem exija cortá-los, mas ninguém nos explica como sustentar o SNS onde os medicamentos tenderão a ficar cada vez mais caros

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)