Rádio Observador

Brasil

Próximo ministro da Justiça do Brasil diz ser favorável a flexibilização da posse de armas

122

O juiz Sérgio Moro, anunciado como ministro da Justiça pelo Presidente Jair Bolsonaro, disse ser a favor de regras mais flexíveis para a posse de armas numa entrevista à rede de televisão Globo.

Hedeson Alves/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O juiz Sérgio Moro, anunciado como ministro da Justiça pelo Presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, disse ser a favor de regras mais flexíveis para a posse de armas numa entrevista à rede de televisão Globo.

O juiz responsável na primeira instância da operação que desvendou o maior escândalo de corrupção no Brasil, a operação Lava Jato, assegurou, no entanto, que o crime é combatido com investigações sólidas e evitando confrontos armados.

A flexibilização da posse e porte de armas na luta contra o crime foi uma das bandeiras de Bolsonaro durante a campanha.

Na entrevista que foi emitida no domingo, Moro disse que as regras atuais para a posse de armas em casa são “muito restritivas” e que flexibilizar estas regras não significa incentivar as pessoas a andarem armadas nas ruas.

“Posse significa que a pessoa pode ter uma arma dentro de casa, não que ela ande com a arma”, disse o juiz.

Segundo o futuro ministro da Justiça brasileiro, “o crime organizado deve ser confrontado com investigações sólidas, a prisão e isolamento dos seus líderes e o confisco dos produtos da atividade criminosa e dos bens da organização”.

“Não podemos construir uma política criminal, incluindo a luta contra o crime organizado na base de confrontos e tiroteios. O risco de danos colaterais é muito grande, e não apenas danos colaterais, mas o risco para a polícia”, afirmou Moro.

Durante a entrevista, o futuro governante disse ser favorável à ideia de Bolsonaro de reduzir a idade de responsabilidade criminal no país, que atualmente é de 18 anos, considerando que “não resolve a criminalidade, mas tem que ser considerada na justiça individual”.

“Pense numa família em que um dos seus membros foi vítima de um homicídio cometido por um adolescente com idade acima de 16 anos. As pessoas querem uma resposta do Estado institucional e do sistema atual, que prevê penas muito pequenas para crimes dessa natureza, a sério, é insatisfatório”, disse.

Outra questão abordada na entrevista foram os crimes de ódio contra as comunidades LGBTI (sigla usada para nomear Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros), negros, mulheres e minorias, que, segundo o juiz, serão severamente punidos pelo novo Governo.

Moro disse que na campanha eleitoral nunca viu a proposta de Bolsonaro com um tom discriminatório em relação às minorias.

“Eu nunca entraria num Governo em que houvesse uma sombra de suspeita de que teria qualquer política a esse respeito”, acrescentou.

Moro aceitou há duas semanas o cargo de ministro da Justiça oferecido por Bolsonaro.

Moro ficou famoso depois de condenar e prender o ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, sentenciado a 12 anos por corrupção passiva e branqueamento de capitais, acusado de receber um apartamento como suborno em troca de beneficiar contratos da construtora da OEA com a estatal petrolífera Petrobras.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
4.286

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)