Redes Sociais

Twitter e Facebook negam que Bolsonaro tenha contratado divulgação de conteúdos

421

As redes sociais Twitter e Facebook informaram o Tribunal Superior Eleitoral que a campanha do Presidente brasileiro eleito, não contratou empresas para disseminação de conteúdos na internet.

Joedson Alves/EPA

As redes sociais Twitter e Facebook informaram esta segunda-feira o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que a campanha do Presidente brasileiro eleito, Jair Bolsonaro, não contratou empresas para disseminação de conteúdos na internet.

O Twitter afirmou que “averiguou internamente e foi constatado que as contas verificadas do candidato Jair Messias Bolsonaro e do partido político Partido Social Liberal (PSL) [@jairbolsonaro e @psl_nacional] não contrataram” a disseminação “de qualquer conteúdo, seja este eleitoral ou não”, declarou a empresa, segundo o site de notícias G1. Esta rede social disse ainda que não permite anúncios de campanha eleitoral no Brasil e noutros três países, Marrocos, Paquistão e Coreia do Sul.

Também o Facebook informou que a página e as contas oficiais do futuro chefe de Estado do Brasil divulgadas pelo TSE não contrataram a disseminação “de conteúdos no período entre 16 de agosto de 2018 e 28 de outubro de 2018”.

No entanto, o Facebook adiantou estar disponível para investigar outras páginas e contas que não tenham sido registadas no TSE, “mediante a indicação das URL (endereço de rede no qual se encontra algum recurso informático) correspondentes, nos moldes da legislação vigente”.

A resposta das duas empresas foi dada ao juiz relator Luís Roberto Barroso, responsável pela prestação de contas da campanha de Bolsonaro. Luís Roberto Barroso determinou, na passada quinta-feira, que os gigantes da internet WhatsApp, Facebook, Twitter, Instagram e Google respondessem, num prazo de três dias, se houve ou não contratação de divulgação de informação em massa a favor do candidato durante as eleições, seja pelo próprio ou por terceiros. Além do Twitter e Facebook, as outras três empresas também deverão prestar informações.

As eleições presidenciais, que culminaram no dia 28 de outubro com a escolha de Jair Bolsonaro para a presidência do Brasil, foram o primeiro sufrágio com autorização para divulgação de conteúdo nas redes sociais. No entanto, como regra, teria de ser identificado de forma inequívoca e contratado, exclusivamente, por partidos políticos, coligações, candidatos ou representantes.

Em 18 de outubro o jornal Folha de São Paulo revelou um suposto esquema ilícito envolvendo Jair Bolsonaro e empresários que teriam alegadamente patrocinado a divulgação de mensagens falsas pela rede social WhatsApp. Bolsonaro e os seus aliados negaram a contratação com essa finalidade. A prática, em tese, pode ser ilegal, caso seja considerada pela Justiça doação para campanha feita por empresas. Desde 2015, as empresas estão proibidas de doar dinheiro par as campanhas.

Após a publicação da reportagem, os advogados do candidato do Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad, derrotado nas eleições, pediram ao TSE a abertura de uma ação de investigação judicial eleitoral para investigar o suposto abuso de poder económico e uso indevido de meios de comunicação pela campanha de Bolsonaro.

“Identificámos uma campanha de difamação no WhatsApp e, dado o volume de mensagens, sabíamos que havia dinheiro sujo. Hoje [o jornal] Folha de São Paulo traz provas de que de facto houve a montagem de uma organização criminosa de empresários que via caixa 2 [dinheiro não declarado à Justiça eleitoral] promoveu esta campanha de difamação, tentando cometer fraude e acabar com a eleição na primeira volta”, disse Haddad à imprensa brasileira, quando faltavam apenas dez dias para a segunda volta da eleição.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)