Rádio Observador

Presidente Trump

Donald Trump voltou a responder à proposta de exército europeu de Macron: “Nas Guerras Mundiais o inimigo foi a Alemanha”

297

Donald Trump voltou a criticar o exército europeu proposto por Emmanuel Macron e lembrou que na I e na II Guerras Mundiais o inimigo "foi a Alemanha". O desacordo entre os dois teve início no sábado.

O desacordo entre Emmanuel Macron e Donald Trump começou no sábado, na antecâmara das comemorações do centenário do armistício

Getty Images

Donald Trump voltou esta terça-feira ao tema do exército europeu proposto por Emmanuel Macron para “defender a Europa dos Estados Unidos, da Rússia e da China”. Numa série de tweets, o presidente norte-americano recordou que “na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais” o inimigo “foi a Alemanha” e que os franceses “estavam a começar a aprender alemão em Paris na altura em que os Estados Unidos chegaram”.

Na mensagem seguinte, Donald Trump referiu-se ao comércio entre os Estados Unidos e França. “França produz vinho excelente, mas os Estados Unidos também. O problema é que França torna muito difícil para os Estados Unidos vender os seus vinhos lá, cobrando tarifas muito altas, e os Estados Unidos tornam muito fácil a venda de vinhos franceses, com tarifas muito baixas. Não é justo, é preciso mudar”, afirmou o presidente norte-americano. Logo de seguida, explicou que “o problema é que Emmanuel Macron sofre com uma taxa de aprovação muito baixa, 26%, e uma taxa de desemprego de quase 10%” e terminou com “Make France Great Again”, tornar França grande outra vez – uma versão do conhecido slogan que utilizou na campanha presidencial de 2016 e que ainda mantém, “Make America Great Again”.

O desacordo entre Trump e Macron, que até têm uma relação próxima, começou este sábado. Numa entrevista à rádio Europa 1, na passada terça-feira, o presidente francês apelou à criação de “um verdadeiro exército europeu” para melhor proteger o continente. Macron referiu-se às sucessivas ameaças à Europa, à intrusão no ciberespaço e à saída dos Estados Unidos do tratado de armas nucleares de médio alcance, concluído durante a Guerra Fria. “Só protegeremos os europeus se decidirmos ter um verdadeiro exército europeu”, afirmou o presidente francês, considerando ser necessário “a Europa proteger-se da China, da Rússia e, mesmo, dos EUA”.

À chegada a Paris, para as comemorações do centenário do armistício da Primeira Guerra Mundial, Donald Trump apressou-se a criticar a proposta de Emmanuel Macron. “O presidente Macron acaba de sugerir que a Europa construa o seu próprio exército, para se proteger dos Estados Unidos da América, da Rússia e da China”, escreveu o presidente norte-americano no Twitter. “Muito insultuoso. Talvez a Europa devesse pagar antes a sua parte à NATO, que os EUA subsidiam largamente!”, acrescentou.

Mais tarde, em declarações aos jornalistas, Emmanuel Macron esclareceu que “nunca disse que era necessário criar um exército europeu contra os Estados Unidos”. E continuou: “Compreendo que a sequência de tópicos [da entrevista à rádio Europa 1] possa ter gerado alguma confusão. Mas são dois assuntos diferentes, o tratado de armas nucleares de médio alcance e o tema de uma força de defesa europeia, no qual estou a trabalhar e está em andamento”, salientou o presidente francês, vincando que “a saída do tratado de armas nucleares de médio alcance tem a ver com a segurança da Europa e é por isso que a Europa deve estar envolvida no diálogo sobre este assunto”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)