Rádio Observador

Estados Unidos da América

“Não tenho intenção de me candidatar”. Livro de memórias de Michelle Obama chega esta terça-feira às bancas

No livro que chega esta terça-feira às bancas, "Becoming", Michelle Obama fala sobre a eleição de Donald Trump e as notícias que lhe dão "a volta ao estômago". E garante que não se vai candidatar.

Michelle Obama tem 54 anos e é mãe de Sasha e Malia

JUSTIN LANE/EPA

Michelle Obama, a ex-primeira dama dos Estados Unidos, lança esta terça-feira “Becoming”, o livro de memórias onde detalha o primeiro encontro com Barack Obama, o quotidiano dos oito anos que passou na Casa Branca e, num passado mais recente, a eleição de Donald Trump. A mulher do antigo presidente norte-americano fala de política, da família e dos desafios do país, revela que muitas das notícias relacionadas com Trump lhe dão “a volta ao estômago” e garante que não tem “qualquer intenção de se candidatar” à presidência dos Estados Unidos.

O jornal inglês The Guardian, que teve acesso a uma cópia antecipada do livro, conta que Barack e Michelle passaram grande parte da noite eleitoral de novembro de 2016 na sala de cinema da Casa Branca a ver um filme. “Quando o filme acabou e as luzes se acenderam, o telemóvel do Barack vibrou. Vi que ele olhou e voltou a olhar e franziu um pouco a sobrancelha. Disse: ‘Os resultados na Flórida estão um pouco estranhos'”, escreve a ex-primeira dama, agora com 54 anos.

“Não havia alarme na voz dele, só um pequeno laivo de preocupação. O telemóvel vibrou outra vez. O meu coração começou a bater mais depressa. Olhei mais de perto para a cara do meu marido, sem a certeza de que estava preparada para ouvir o que ele ia dizer. Fosse o que fosse, não parecia bom. Senti algo pesado no estômago e a minha ansiedade transformou-se em horror”, acrescenta Michelle Obama, que não ficou acordada noite dentro para saber os resultados oficiais das eleições presidenciais. Decidiu ir dormir, numa tentativa de “bloquear tudo” o que estava a acontecer. “Queria desconhecer aquilo que era um facto durante o maior espaço de tempo possível”, revela. Quando acordou, era oficial: Donald Trump tinha sido eleito e iria suceder a Barack Obama enquanto presidente dos Estados Unidos.

A ex-primeira dama recorda no livro de memórias que as duas filhas – Malia, que estava na Bolívia à altura das eleições, e Sasha – ficaram “profundamente incomodadas” com a vitória de Donald Trump. “Disse às nossas duas meninas que as amava e que tudo ia ficar bem. Estava a tentar dizer o mesmo a mim mesma”, escreve Michelle Obama. Já sobre sobre o impacto eleitoral da possibilidade de ingerência russa nas eleições presidenciais ou de intervenção do diretor do FBI James Comey, a ex-primeira dama émais acutelosa nos comentários: “Não sou uma pessoa política, por isso não vou tentar oferecer uma tentativa de análise dos resultados. Não vou tentar especular sobre quem foi responsável ou o que é que foi injusto”.

Só desejava que mais pessoas tivessem ido votar. E vou sempre questionar-me sobre os motivos que levaram tantas mulheres, em particular, a rejeitar uma candidata excecionalmente qualificada e escolher um misógino como presidente”, sublinha a ex-primeira dama norte-americana no livro.

Desde que Donald Trump foi eleito, em novembro de 2016, que Michelle Obama é apontada como uma eventual candidata às primárias do Partido Democrata para as eleições presidenciais de 2020. Em “Becoming”, Obama esclarece os rumores: “Não tenho qualquer intenção de me candidatar, nunca. Nunca fui fã de política e a minha experiência nos últimos dez anos fez pouco para mudar isso”. E continua: “Continuo a ficar desanimada com a maldade — a segregação tribal em que temos de ser vermelhos ou azuis [as cores associadas aos partidos Republicano e Democrata], esta ideia de que é suposto escolhermos um lado e colarmo-nos a ele, incapazes de ouvir e criar compromissos e às vezes até de sermos civilizados. Acredito que, no seu melhor, a política pode ser um meio para a mudança positiva, mas esta arena não é para mim”.

Michelle Obama garante, apesar de todo o “desânimo” com a administração Trump, que se preocupa com o futuro dos Estados Unidos e que desde que marido deixou a Casa Branca que lê notícias que lhe dão “a volta ao estômago” e que fica muitas vezes “acordada durante a noite” a pensar em tudo o que está a passar. “Às vezes pergunto-me quando é que vamos chegar ao fundo”, sentencia a ex-primeira dama.

Na semana passada, a Associated Press já tinha divulgado vários excertos do livro de memórias de Michelle Obama, incluindo os capítulos onde a mulher de Barack Obama revela que sofreu um aborto antes de ter as duas filhas e que teve de fazer fertilização in vitro para conseguir engravidar de Sasha e Malia.

Para promover a obra, Michelle Obama contratou uma empresa habituada a fazer as digressões de estrelas de rock e vai fazer um roteiro de conferências que passará por várias cidades dos EUA, com lugares pagos. O lançamento do livro acontece esta terça-feira em Chicago, na United Center, uma arena com capacidade para 23.500 pessoas. 10% das receitas das conferências serão doados a instituições de caridade, escolas e grupos comunitários em cada cidade por onde Michelle passar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)