Parlamento Europeu

Coprodução de Islândia, França e Ucrânia vence Prémio Lux do cinema do Parlamento Europeu

O filme conta a história de Halla, uma ecologista de 50 anos que decide enfrentar a indústria do alumínio em prol da defesa do ambiente e contra o aquecimento global.

PATRICK SEEGER/EPA

O filme “Woman at War”, uma coprodução entre a Islândia, a França e a Ucrânia, foi esta quarta-feira galardoado com o Prémio Lux 2018, atribuído pelo Parlamento Europeu (PE).

“Woman at War””, do realizador islandês Benedikt Erlingsson, foi o filme preferido numa lista que incluía outros dois finalistas: “The Other Side of Everything”, de Mila Turajlic (Sérvia, França, Catar), e “Styx”, de Wolfgang Fischer (Alemanha, Áustria).

A película vencedora da 12.ª edição do Prémio Lux conta a história de Halla, uma ecologista de 50 anos em Reiquiavique, que decide enfrentar a indústria do alumínio num ato de justiça solitária, em prol da defesa do ambiente e contra o aquecimento global.

Começa então a sabotar as linhas de alta tensão para paralisar a fábrica, mas a notícia de que foi aceite para adoção de uma criança na Ucrânia abala os seus planos.

“Os filmes finalistas abordam três temas-chave para o futuro da Europa: os riscos associados ao nacionalismo extremo, a urgência de agir para salvar o meio ambiente e a necessidade de encontrar respostas coerentes e coesas para a questão da migração”, disse o presidente do PE, no anúncio do vencedor.

O PE financia a legendagem dos filmes finalistas do Prémio Lux nas 24 línguas oficiais da UE.

O filme vencedor, escolhido pelos eurodeputados, é também adaptado para as pessoas com incapacidades visuais ou auditivas.

Os três filmes finalistas são inéditos comercialmente em Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)