Rádio Observador

Lula da Silva

Ex-Presidente brasileiro Lula da Silva começou a depor em tribunal de Curitiba

Lula da Silva começou a ser ouvido num segundo caso do processo da Operação Lava Jato. A líder do PT diz que o novo depoimento é uma "peça teatral".

ANTONIO LACERDA/EPA

O ex-presidente do Brasil Lula da Silva começou a ser ouvido num tribunal de Curitiba, esta quarta-feira, pelas 15h00 (17h00 em Lisboa), num segundo caso do processo da Operação Lava Jato, no qual é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, sendo suspeito de ter recebido benefícios ilícitos numa quinta no interior de São Paulo, como suborno. Esta foi a primeira vez que o ex-Presidente do Brasil deixou as instalações da Polícia Federal, onde está preso desde abril, a cumprir pena.

Não há relatos de incidentes durante o trajeto feito pelo histórico político do Partido dos Trabalhadores até ao local do interrogatório, em Curitiba. No entanto, os apoiantes de Lula da Silva encontram-se em frente à sede da Polícia Federal, onde Lula está preso, e junto ao prédio da Justiça Federal, onde decorre o depoimento.

A audiência começou às 14h00 (16h00 em Lisboa) com o depoimento do empresário José Carlos Bumlai, também réu no processo. Bumlai, que responde pelo crime de lavagem de dinheiro, foi interrogado durante uma hora. O processo e a operação Lava Jato estavam sob a responsabilidade do juiz Sérgio Moro, que recentemente se afastou do caso após aceitar a nomeação para o Ministério da Justiça no futuro governo do Presidente eleito, Jair Bolsonaro. Assim, o ex-Presidente está a depor perante a juíza substituta do processo, Gabriela Hardt.

Na acusação deste processo, os procuradores afirmam que algumas reformas feitas pelas construtoras Odebrecht e OAS numa quinta frequentada por Lula da Silva e sua família, na cidade de Atibaia, no interior do estado de São Paulo, teriam sido pagas como parte de um acordo de suborno para que estas empresas fossem beneficiadas em contratos com a Petrobras.

O Ministério Público Federal (MPF) brasileiro alega que as construtoras gastaram pelo menos 700 mil reais (166 mil euros) em reformas no imóvel entre os anos de 2010 e 2014. A quinta está registada em nome dos empresários Fernando Bittar e Jonas Leite Suassuna, mas os procuradores disseram acreditar que o imóvel na verdade pertenceria ao ex-presidente brasileiro.

Já os advogados de defesa de Lula da Silva afirmaram nos autos do processo que o ex-Presidente não é dono do imóvel e que apenas frequentava o local. Os advogados também entendem que não foi comprovado pela acusação que o antigo chefe de Estado brasileiro seja culpado dos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais de que foi acusado neste caso.

Lula da Silva já foi condenado noutro processo da Operação Lava Jato, que investigou a propriedade um apartamento de luxo na cidade do Guarujá e atualmente cumpre uma pena de 12 anos e um mês de prisão.

Líder do PT diz que novo depoimento de Lula da Silva é “peça teatral”

A presidente do Partido dos trabalhadores (PT), a senadora Gleisi Hoffmann, classificou o depoimento que Lula da Silva, ex-chefe de Estado e antigo líder do partido, prestou esta quarta-feira, em tribunal, como uma “peça teatral”.

“O dia de hoje representa mais uma peça teatral desse processo contra o Lula. Não entendemos porque é que Lula está a fazer esse depoimento, nem porque é que está a ser processado. Qual é o crime que ele cometeu? (…) Teriam de apontar com qual foi o crime, qual é o ato que configura corrupção passiva ou lavagem de dinheiro”, declarou Gleisi Hoffmann, em conferência de imprensa realizada em frente ao edifício da Polícia Federal, de onde Lula da Silva saiu para ser ouvido em tribunal.

Para a presidente do PT, o ex-Presidente do Brasil é inocente das acusações de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e afirmou que Lula está a ser perseguido politicamente pelo juiz Sergio Moro, futuro ministro da Justiça do Governo de Bolsonaro.

Hoffmann criticou ainda o facto de Moro ter entrado em período de férias depois de ter aceitado um cargo político, e tendo passado o processo para as mãos da juíza substituta do processo, Gabriela Hardt, que, segundo a presidente do PT, é “amiga” de Moro. Para Gleisi, o procedimento correto seria uma nova atribuição de juízes para o caso.

“Mais grave é que o juiz Sergio Moro, ao ser nomeado para um cargo político, tirou férias para poder continuar a sua vara de prevenção no processo. Portanto, a juíza substituta, que é sua amiga, continua a julgar o Lula. O correto seria (…) o processo ser redistribuído”, afirmou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)