Exposições

Exposição no Padrão dos Descobrimentos convida a descobrir as Áfricas

Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, acolhe no final de novembro uma exposição que reúne peças escolhidas por 45 investigadores com relação a África.

TIAGO PETINGA/LUSA

Uma exposição que reúne peças escolhidas por 45 investigadores de várias áreas com relação a África, vai ser inaugurada a 25 de novembro no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, anunciou esta quarta-feira a organização.

“Contar Áfricas!” é o título desta exposição que tem a coordenação de António Camões Gouveia, e resulta de “um exercício de descoberta de África e das muitas Áfricas que a compõem”, de acordo com a organização. Até 21 de abril, esta mostra apresentará o resultado de um “exercício científico-museológico”, cujo desafio foi “contar África e não a visão que, de África, tiveram os portugueses”, segundo o coordenador, António Camões Gouveia.

Cada peça conta uma história e resulta numa análise e reflexão por parte de quem a escolheu, e o objetivo da organização é que o conjunto de peças “conte a história de uma África plural”. As escolhas dos investigadores e especialistas são a base do desenho da narrativa museológica que forma um circuito de visita, que é aberto e não condicionado.

Alexandra Curvelo, Ângela Barreto Xavier, Beatriz Gomes, Carlos Sousa, Catarina Madeira Santos, Edalina Sanches, Filipa Lowndes Vicente, Hugo Ribeiro da Silva, Inês Beleza Barreiros, Joacine Katar Moreira, João Vasconcelos, Manuel dos Santos, Maria Emília Madeira Santos, Nuno Domingos, Nuno Senos, Paulo Almeida Fernandes, Ricardo Roque e Santiago Macías são alguns dos 45 investigadores que escolheram as peças para a mostra.

António Camões Gouveia, nascido em 1958, é licenciado em História, pós-graduado em História Cultural e Política e doutorado em História e Teoria das Ideias, especialidade em História das Ideias Sociais, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde dá aulas desde 1981. Enquanto docente tem lecionado matérias no âmbito da História da Sociedade e da Cultura, dos séculos XVI a XVIII, e da programação de cultura.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)