Rep Democrática do Congo

ONU está “mais e mais alarmada” com situação na República Democrática do Congo

O estado de insegurança em Beni, no Congo, ameaça a realização das eleições em várias regiões do país. A cidade tem sido ameaçada pelos assassinatos por grupos armados e pela epidemia do ébola.

MARTIAL TREZZINI/EPA

As Nações Unidas estão “mais e mais alarmadas” com a situação em Beni, na República Democrática do Congo (RDCongo), cujo estado de insegurança ameaça a realização das eleições em várias regiões do país.

“Estou mais e mais alarmado com a situação em Beni nos últimos meses, onde continuamos a enfrentar grandes desafios para a implementação do nosso mandato”, disse a representante da Missão das Nações Unidas no Congo (Monusco, em francês), Leila Zerrougui, depois da reunião mensal do Conselho de Segurança sobre a RDCongo, na segunda-feira.

Localizada na província de Kivu-Norte, a cidade de Beni, com uma população estimada entre os 200.000 e os 300.000 habitantes, tem sido ameaçada pelos assassinatos conduzidos por grupos armados e pela epidemia do ébola.

“A violência dos grupos armados nessas províncias pode afetar a colocação, em segurança, do material eleitoral e pode mesmo impedir que parte da população vote no dia das eleições”, alertou Zerrougui, citada pela agência France-Presse, acrescentando que será “muito importante que o Governo tome medidas nas próximas semanas para garantir a segurança das votações, em particular para garantir a participação das mulheres, que representam 50% dos eleitores inscritos”.

A representante da Monusco referiu ainda a região de Kasai está também a ser monitorizada, visto que é um dos principais destinos dos cidadãos congoleses expulsos de Angola. “Depois do regresso forçado de emigrantes congoleses em Angola (…) é possível que as tensões étnicas abalem ceras zonas em Kasai”, sublinhou a responsável.

Leila Zerrougui lembrou que há vontade de todos em participar nas eleições, mas “a oposição reclama a diminuição do espaço político, incluindo a impossibilidade de realizar reuniões em todo o território e um acesso injusto aos media públicos”.

A uma semana do início da campanha eleitoral, o uso de urnas eletrónicas continua a dividir o país, com a maioria política a defender o seu uso, contrastando com a posição da oposição e da sociedade civil. “Ainda é preciso haver progressos para criar um ambiente propício à realização de eleições credíveis”, disse a diplomata argelina.

Declarado em 1 de agosto nas regiões de Kivu do Norte e Ituri, o surto do vírus do ébola terá sido responsável pela morte de 212 pessoas, segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde da RDCongo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)