Cinema

Ciclo de cinema português na Fundação Gulbenkian no início de dezembro

O ciclo "A Gulbenkian e o Cinema Português" inclui primeiras obras, projetos experimentais e filmes com presença em festivais internacionais e decorre de 30 de novembro a 9 de dezembro.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Parte da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, “transforma-se em sala de cinema”, no início de dezembro, com o ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português“, que inclui primeiras obras, projetos experimentais e filmes com presença em festivais internacionais.

“Primeiras obras, projetos experimentais e filmes com presença nos grandes festivais internacionais — nos dois primeiros fins-de-semana de dezembro, parte da Fundação transforma-se em sala de cinema”, lê-se no site da Fundação Calouste Gulbenkian.

A 3.ª edição do ciclo, dedicado ao tema “A intimidade e o país: um desejo de futuro”, decorre de 30 de novembro a 9 de dezembro, às sextas-feiras, sábados e domingos. Ao longo do ciclo serão mostradas 12 obras — “seis longas-metragens e seis curtas — resultantes de apoios dados pela Fundação Calouste Gulbenkian a primeiras obras, projetos experimentais ou como estímulo à internacionalização do cinema português contemporâneo“.

O ciclo arranca a 30 de novembro com a exibição de “E Agora? Lembra-me”, de Joaquim Pinto, documentário autobiográfico premiado em 2013 no festival de Cinema de Locarno. No dia 1 de dezembro, são exibidas curtas-metragens de André Santos & Marco Leão, “Aula de Condução” (2015) e “Pedro” (2016), e de Jorge Jácome, “A Guest + A Host” (2015) e “Flores” (2017), que ficciona um cenário de crise natural nos Açores.

“Flores” teve estreia no festival IndieLisboa de 2017, onde recebeu o prémio Novo Talento. Desde então foi distinguida em festivais da Alemanha, Croácia, Roménia, Espanha, Colômbia, Suíça, México e Itália. Foi também selecionada para os festivais de Toronto, no Canadá, e de San Sebastian, em Espanha.

A sessão de dia 2 de dezembro é dedicada ao trabalho de André Valentim Almeida, sendo exibidos os documentários “From NY With Love” (2012) e “Dia 32” (2017).

No dia 7 de dezembro, são exibidos “A Caça Revoluções” (2016), de Margarida Rêgo, “Metáfora ou a Tristeza Virada do Avesso (2014), de Catarina Vasconcelos, e “Yama No Anata — Para Além das Montanhas”, de Aya Kortzky.

Para dia 8 de dezembro, está agendada a exibição de “O Novo Testamento de Jesus Cristo Segundo João” (2013), de Joaquim Pinto e Nuno Leonel.

O ciclo encerra a 9 de dezembro com “Verão Danado”, a primeira longa-metragem de Pedro Cabeleira, que se estreou em agosto do ano passado no Festival de Locarno (Suíça), onde recebeu uma menção honrosa. O filme foi também exibido em maio numa das secções paralelas do festival de Cannes.

Os filmes exibidos “serão legendados em inglês e português, tornando-se acessíveis a pessoas surdas, estrangeiros ou pessoas com algum grau de dificuldade em compreender bem o português falado“. Nesta edição, o ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português” tem curadoria de Francisco Valente.

A primeira edição, sob o tema “Territórios de Passagem”, teve curadoria de Miguel Valverde, a segunda, dedicada ao tema “Ensaio e Ficção”, teve curadoria de Ricardo Vieira Lisboa. “A escolha de três curadores pretende constituir-se como um olhar de fora para os resultados da presença discreta mas consistente da Fundação em momentos decisivos do arranque das carreiras de tantos cineastas portugueses que se têm vindo a afirmar dentro e fora de portas”, refere a Fundação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)