Cinema

Ciclo de cinema português na Fundação Gulbenkian no início de dezembro

O ciclo "A Gulbenkian e o Cinema Português" inclui primeiras obras, projetos experimentais e filmes com presença em festivais internacionais e decorre de 30 de novembro a 9 de dezembro.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Parte da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, “transforma-se em sala de cinema”, no início de dezembro, com o ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português“, que inclui primeiras obras, projetos experimentais e filmes com presença em festivais internacionais.

“Primeiras obras, projetos experimentais e filmes com presença nos grandes festivais internacionais — nos dois primeiros fins-de-semana de dezembro, parte da Fundação transforma-se em sala de cinema”, lê-se no site da Fundação Calouste Gulbenkian.

A 3.ª edição do ciclo, dedicado ao tema “A intimidade e o país: um desejo de futuro”, decorre de 30 de novembro a 9 de dezembro, às sextas-feiras, sábados e domingos. Ao longo do ciclo serão mostradas 12 obras — “seis longas-metragens e seis curtas — resultantes de apoios dados pela Fundação Calouste Gulbenkian a primeiras obras, projetos experimentais ou como estímulo à internacionalização do cinema português contemporâneo“.

O ciclo arranca a 30 de novembro com a exibição de “E Agora? Lembra-me”, de Joaquim Pinto, documentário autobiográfico premiado em 2013 no festival de Cinema de Locarno. No dia 1 de dezembro, são exibidas curtas-metragens de André Santos & Marco Leão, “Aula de Condução” (2015) e “Pedro” (2016), e de Jorge Jácome, “A Guest + A Host” (2015) e “Flores” (2017), que ficciona um cenário de crise natural nos Açores.

“Flores” teve estreia no festival IndieLisboa de 2017, onde recebeu o prémio Novo Talento. Desde então foi distinguida em festivais da Alemanha, Croácia, Roménia, Espanha, Colômbia, Suíça, México e Itália. Foi também selecionada para os festivais de Toronto, no Canadá, e de San Sebastian, em Espanha.

A sessão de dia 2 de dezembro é dedicada ao trabalho de André Valentim Almeida, sendo exibidos os documentários “From NY With Love” (2012) e “Dia 32” (2017).

No dia 7 de dezembro, são exibidos “A Caça Revoluções” (2016), de Margarida Rêgo, “Metáfora ou a Tristeza Virada do Avesso (2014), de Catarina Vasconcelos, e “Yama No Anata — Para Além das Montanhas”, de Aya Kortzky.

Para dia 8 de dezembro, está agendada a exibição de “O Novo Testamento de Jesus Cristo Segundo João” (2013), de Joaquim Pinto e Nuno Leonel.

O ciclo encerra a 9 de dezembro com “Verão Danado”, a primeira longa-metragem de Pedro Cabeleira, que se estreou em agosto do ano passado no Festival de Locarno (Suíça), onde recebeu uma menção honrosa. O filme foi também exibido em maio numa das secções paralelas do festival de Cannes.

Os filmes exibidos “serão legendados em inglês e português, tornando-se acessíveis a pessoas surdas, estrangeiros ou pessoas com algum grau de dificuldade em compreender bem o português falado“. Nesta edição, o ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português” tem curadoria de Francisco Valente.

A primeira edição, sob o tema “Territórios de Passagem”, teve curadoria de Miguel Valverde, a segunda, dedicada ao tema “Ensaio e Ficção”, teve curadoria de Ricardo Vieira Lisboa. “A escolha de três curadores pretende constituir-se como um olhar de fora para os resultados da presença discreta mas consistente da Fundação em momentos decisivos do arranque das carreiras de tantos cineastas portugueses que se têm vindo a afirmar dentro e fora de portas”, refere a Fundação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)