Parentalidade

Conselho Superior da Magistratura a favor da residência alternada

311

A Associação Portuguesa para a Igualdade Parental e Dreitos dos Filhos fez uma petição onde propunha legislar a favor da presunção jurídica da residência alternada para crianças de pais separados.

AFP/Getty Images

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) pronunciou-se a favor da inclusão da residência alternada para criança de pais e mães divorciados ou separados na lei portuguesa, anunciou esta quinta-feira a Associação Portuguesa para a Igualdade Parental e Dreitos dos Filhos (APIPDF).

Segundo o parecer aprovado em plenário a 30 de outubro, o CSM considera que “é de prever legalmente” o “princípio de que, salvo motivos ponderosos, a residência dos filhos de pais separados deve ser com ambos os progenitores, de forma alternada e com possível adequação ao caso concreto pelo juiz”.

A APIPDF, recorde-se, fez uma petição onde propunha legislar a favor da presunção jurídica da residência alternada, dando início ao debate no início do verão. Essa petição deu entrada na Assembleia da República no dia 17 de julho, mas 23 associações pela igualdade assinaram uma carta aberta contra essa divisão, usando vários argumentos ligados à lentidão da justiça, que pode pôr em causa a segurança das crianças na possível entrega a pais violentos.

Em outubro, a Procuradoria-Geral da República (PGR) considerou que a residência alternada de filhos de pais e mães separados deveria estar prevista na lei portuguesa, propondo que o Código Civil passasse a incluir uma nova alínea a estabelecer que “o tribunal privilegiará a residência alternada do filho com cada um dos progenitores, independentemente de acordo e sempre que, ponderadas todas as circunstâncias relevantes atendíveis, tal corresponda ao superior interesse daquele”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Pai para mim, mãe para ti  /premium

Inês Relvas
141

Com a existência de um período de licença igualmente longo por parte dos pais, a decisão de preferência de um homem versus uma mulher para uma posição de trabalho poderá finalmente deixar de existir. 

Parentalidade

Como os queridos pais dinamarqueses /premium

Laurinda Alves
1.737

Reduzir as horas de trabalho não quer dizer trabalhar menos, mas trabalhar melhor, em menos horas. Queridos pais portugueses estamos a tempo de mudar e fazer como os queridos pais dinamarqueses!

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)