Rádio Observador

Eletricidade

Governo prevê redução de 3,5% na fatura da luz dos consumidores domésticos em 2019

Redução na conta da eletricidade, em 2019 para consumidores domésticos deverá ser de 3,5% estima o Governo. Descida é conseguida com transferência de receita da contribuição sobre empresas da energia.

Antonio Cotrim/LUSA

O ministro da Transição Energética estimou esta quinta-feira uma redução de 3,5% na conta da eletricidade, no próximo ano, para os consumidores domésticos com o reforço das transferências para reduzir o défice tarifário. Esta receita tem origem na contribuição extraordinária sobre o setor da energia (CESE) cobrada desde 2014 às grandes empresas de energia.

Em conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros, João Pedro Matos Fernandes disse que o Governo estima uma redução de 3,5% na conta da eletricidade em 2019 para os consumidores domésticos “da muito baixa tensão, do mercado regulado”. O ministro disse ainda ter a expetativa de reduzir “em 17% a tarifa de acesso ao sistema, válido para todos, incluindo empresas” e os clientes domésticos que estão no mercado liberalizado ( e que são a maioria).

As estimativas do Governo resultam da aprovação, esta quinta-feira em Conselho de Ministros, do diploma que fixa que dois terços da receita da Contribuição Extraordinária do Setor Energética (CESE) sejam afetos à redução do défice tarifário, ou seja, o dobro do que antes estava definido.

De acordo com a proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), as tarifas de eletricidade no mercado regulado devem subir 0,1% para os consumidores domésticos a partir de 1 de janeiro, mas o valor final só será conhecido até 15 de dezembro, quando serão refeitas as contas com base em medidas legislativas como a aprovada esta quinta-feira.

“Este facto, em conjunto com o reforço da transferência de verbas a partir do fundo ambiental para este mesmo défice tarifário vai fazer com que este ano, além do que já estava previsto, possa ser possível afetar à redução do défice o montante de 190 milhões de euros”, disse, acrescentando que, no próximo ano, a estimativa é que o montante seja “de mais 200 milhões de euros do que aquilo que estava previsto”.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética sublinhou que, “em cima desta redução”, há uma proposta de autorização legislativa para que, em sede do Orçamento do Estado para 2019, a taxa de IVA para as potências mais reduzidas venha também a ser reduzida. O efeito da descida no IVA para 6% dos contratos com a potência contratada de 3,45 kVA só chegará a metade dos consumidores e ainda tem de ser aprovada pelo comité do IVA da Comissão Europeia.

João Pedro Matos Fernandes sublinhou que “quase 50% dos contratos em Portugal” terem já uma potência contratada inferior a 3,45 kwa (Kilovoltampere). “Vale a pena estarmos todos sob alerta e numa perspetiva de defesa do consumidor saber se de facto conseguimos modelar os nossos consumos ou reduzir mesmo a potência contratada porque isso corresponde a uma redução do consumo energético e naturalmente também a uma redução do preço que é pago”, declarou.

Já esta quarta-feira no Parlamento, o ministro tinha sugerido às famílias que mudassem para a potência contratada mais baixa, que só é compatível para níveis pouco elevados de consumo, para beneficiar do IVA reduzido.

O Fundo para a Sustentabilidade Sistémica do Setor Energético foi criado em 2014, visando contribuir para a redução da dívida tarifária do Sistema Elétrico Nacional. Com esse objetivo, o Governo transfere receita proveniente da CESE, respeitando “critérios que se têm vindo a revelar demasiadamente rígidos”, segundo a resolução. O diploma aprovado aumenta, assim, de um terço para dois terços da CESE para a redução do défice tarifário.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)