Cultura

“Narcos: México”. A vida é estranha depois de Escobar e fora da Colômbia

Há num novo arco narrativo e tudo se passa em Guadalajara, México. O sabor é o mesmo de sempre, mas já não sabe assim tão bem. Estreia-se esta sexta na Netflix mas já vimos os primeiros episódios.

Diego Luna é o protagonista desta nova produção

Carlos Somonte/Netflix

Autor
  • André Almeida Santos
Mais sobre

Quando “House Of Cards” surgiu em 2013 trouxe um impulso de frescura ao panorama da televisão que se via então. A questão saltava para lá da qualidade: o que a série produzida por David Fincher e criada por Beau Willimon trouxe foi uma espécie de comfort food visual. Através dos gostos dos seus assinantes – e não só – a Netflix conseguiu produzir conteúdo que alimentava os hábitos de consumo do espectador normal, reunia pequenos detalhes que, todos juntos, tornavam o produto apetecível a gregos e a troianos. A novidade convencia facilmente de que aquilo era boa televisão. Ainda é e aí está a génese do binge-watching tal como o conhecemos: não foi um acaso que a segunda temporada de “House Of Cards” tenha estreado no Dia dos Namorados em 2014.

Hoje não passou assim tanto tempo e o binge-watching (ver uma temporada inteira de seguida, episódio a episódio) é uma obrigação. Consomem-se séries de seguida como se não fosse possível de outra maneira e, de alguma forma, morre um pouco a beleza de ver televisão por preguiça. E é uma pena que já não possamos ser preguiçosos e que tenhamos de ser produtivos até no sofá, com o comando na mão (ou no telemóvel, eu sei lá).

A Netflix adora essa produtividade. Adora tanto que continua a produzir tudo desmesuradamente, para alimentar os gostos que o algoritmo quer gerar. E continua a produzir tanto por causa de um fator essencial para o binge-watching: a novidade. Certamente já passou pelo processo exaustivo de procurar qualquer coisa para ver na Netflix e não encontrar nada de interessante.

Quer ver a série X ou Y, mas sabe que um episódio não vai ser suficiente e não tem tempo para mais. Procura um filme e é demasiado longo. Procura uma série que não viu quando se estreou, mas quando chega a ela convence-se que se não a viu até agora, não vale a pena ver. Diz a si próprio que a próxima que estrear vai começar a ver desde o dia 1, para estar a acompanhar o que se diz, o que se fala, o que se vive. Mas a próxima estreia amanhã, a seguinte no dia depois e assim sucessivamente. Parece que não dá para começar nada sem um compromisso, uma razão. Ver Netflix torna-se numa espécie de trabalho, há que ser produtivo a ver televisão, ver o que toda a gente está a ver. Ver no momento. Não falhar.

[o trailer de “Narcos: Mexico”]

Isto para falar de “Narcos: México”. A Netflix anuncia a produção como nova e esta é a primeira temporada. Mas todos sabemos que isto não existiria sem a Colômbia e sem Escobar. Vai sempre ser conhecida como uma espécie de “quarta temporada”, não há volta a dar. A história arranca no México, com novas personagens, nova trama, novo, novo, novo, novo, novo. “Narcos” é um sucedâneo bem real da fórmula “House Of Cards”, o espectador gosta tanto de tráfico de droga como dos corredores da política. São universos que nos seus extremos se tocam. “House Of Cards” nunca tirou uma cartada como esta, a de contar o mesmo movendo-se para um novo sítio, mas se tivesse acontecido não seria de estranhar. É possível que a vida pessoal de Kevin Spacey tenha derrotado esses planos.

Continuemos na soma Narcos + México, salto para a década de 1980 para dentro das origens do cartel de Guadalajara e a história de Félix Gallardo (Diego Luna) e um narrador que diz logo no primeiro episódio que “não sabe como isto acaba” mas que “vai contar como tudo começou”. Ótima premissa, cliché no momento certo e pouco depois começa a história do polícia (Michael Peña) muito infeliz com a sua vida na Califórnia que decide mudar-se para o México para descobrir que as coisas por lá são um bocadinho diferente da América. Cowboyada a sério, é mais ou menos isso.

As coisas podem ser diferentes na América, mas a vibração de “Narcos” é a mesma do passado, ou de qualquer outra fórmula que explore o B-A-BA do tráfico de droga. Na elaboração de “México” faltou, talvez, perceber que o que tornou “Narcos” tão impactante não foi necessariamente o fator “tráfico de droga” ou a narrativa sobre drogas que parece tirada de um qualquer filme aleatório. O que resultou foi o facto “Escobar”. A história de Escobar permitia uma personagem suficientemente passada dos carretos para se tornar numa goma da cultura popular. Ou seja, era sexy. Muito sexy.

A narrativa de “Narcos” começou pelo topo. E “México” deixa a sensação de um evento de segunda categoria. Isto não seria de todo um problema se as opções estilísticas, de construção de personagens e da sua musculatura causassem surpresa, ao invés de se optar por recursos narrativos que são frequentemente vistos em séries do género – e não só – e que procuram apenas, e só, o tal conforto. E aqui acontece o mesmo que se passa com a chamada comfort food: é perfeita quando há a perceção consciente de que é isso que está a acontecer, mas perde todo o seu charme quando se abusa.

E desde o princípio que há esse abuso, um acumular de clichés para fazer o espectador gostar de “Narcos: México” (vale a pena voltar ao “não sabe como isto acaba”/“vamos contar como tudo começou”), de lugares comuns a puxar pelos ritos de passagens (quando Félix Gallardo é salvo de uma execução) ou pelo acumular de erros de uma personagem e respetivo abre-olhos (as sucessivas precipitações nos primeiros episódios do Kiki​ ​Camarena de Michael Peña).

“Narcos: México” é um ping-pong constante entre as duas personagens, um jogo entre o genérico e a ausência de surpresa. Sem o factor Escobar, percebe-se que o esqueleto de “Narcos” confia em demasia no gosto pela previsibilidade do espectador. A familiaridade com qualquer outra história em volta do tráfico de droga não é casual. “Narcos: México” acusa o esgotamento de uma fórmula e a procura de deixar tudo bem redondinho para que não se estranhe a fórmula ganhadora de Escobar.

Claro que há diferenças entre o que se passou na Colômbia e no México, mas o trato narrativo é muito similar, certinho, sem riscos, a apontar para o aborrecimento do espectador, que verá “Narcos: México” porque sim e não porque gosta. E, mesmo que goste, não será deste “México”, mas do sabor que a primeira narrativa de “Narcos” deixou. Esta relação está num marasmo: a Netflix sabe tanto sobre nós e sobre o que gostamos que já começamos a ficar um bocadinho entediados com isso. Sem alarmes e sem surpresas, já cantava o outro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)