RTP

Trabalhadores da RTP manifestam insatisfação ao Governo e questionam contratações

Em causa estão as novas contratações para a Direção de Informação, enquanto os trabalhadores aguardam a progressão nas carreiras e os precários aguardam o reconhecimento do seu vínculo à empresa.

Um total de cinco sindicatos, juntamente com a Comissão de Trabalhadores da RTP, enviaram uma carta aberta ao Governo

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os representantes dos trabalhadores da RTP enviaram esta quinta-feira uma carta aberta ao Governo a manifestar insatisfação pela situação que se vive na empresa e a questionar as recentes contratações externas para a Direção de Informação. A carta, subscrita por cinco sindicatos e pela Comissão de Trabalhadores da RTP, salienta que o “Serviço Público de Rádio e Televisão está a ser prestado num ambiente de crescente insatisfação e injustiça entre os trabalhadores, precários e do quadro”.

Em causa estão as novas contratações para a Direção de Informação da televisão pública, numa altura em que os trabalhadores aguardam a progressão nas carreiras e os precários aguardam o reconhecimento do seu vínculo à empresa. Por isso, os sindicatos e a Comissão de Trabalhadores (CT) da RTP decidiram enviar a carta aberta ao Governo a perguntar se este tinha autorizado o Conselho de Administração do Serviço Público de Televisão a fazer contratações externas.

Na carta, a que a Lusa teve acesso, perguntam também se o Governo tenciona proceder à resolução das situações “de descongelamento ou progressão nas carreiras e de integração de trabalhadores com vínculo precário” e quando tenciona fazê-lo. Na missiva o Governo é ainda questionado sobre o que pretende fazer “face à depauperização dos recursos humanos e técnicos que asseguram o Serviço Público de Rádio e Televisão”.

Entretanto, a CT obteve resposta a um pedido de reunião com a ministra da Cultura, que tutela a RTP. O encontro foi agendado para segunda-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)