Rádio Observador

Pediatria

Neste portal, a Pedipedia, está tudo sobre saúde das crianças

287

A Pedipedia, editada e coordenada por um grupo de médicos e docentes universitários está disponível online, é de acesso gratuito e conta com duas versões: a das famílias e a profissional.

Getty Images

Muitas vezes, pais, cuidadores e jovens recorrem à Internet quando querem saber o significado de uma palavra ou quando pretendem entender determinados sintomas na área da saúde infantil. O problema: há muita informação disponível, mas surge dispersa, não assinada e nem sempre é credível. Foi a pensar nesta questão que a Associação de Apoio à Saúde (ASAU) decidiu criar, em parceria com o Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa, a Pedipedia, uma enciclopédia pediátrica portuguesa disponível online, elaborada por profissionais de saúde.

A enciclopédia é de acesso gratuito e pretende ser um recurso pedagógico “para apoio à prática clínica, à formação na área da saúde infantil e, simultaneamente, um meio de divulgar conhecimentos práticos na área da saúde”, diz o Instituto de Ciências da Saúde em comunicado. O projeto é destinado essencialmente aos profissionais de saúde, às famílias (pais e cuidadores) e aos jovens e adolescentes, sendo que cada tema abordado tem em conta os respetivos destinatários. O site tem duas versões: a das famílias e a profissional.

A patologia pediátrica mais complexa exige uma abordagem interdisciplinar, a cargo de especialistas de múltiplas áreas médicas e cirúrgicas, sediados nos grandes centros de referência. A Internet é a fonte de informação clínica mais consultada por estes profissionais”, acrescenta o Instituto de Ciências da Saúde.

Tendo em conta que, atualmente, o português é a quinta língua mais utilizada online, com mais de 120 milhões de utilizadores, a Pedipedia quer também ter em conta as crianças, jovens e adolescentes doentes nos países lusófonos, que geralmente são “assistidos por médicos/profissionais de saúde sem formação especializada na área pediátrica”, utilizando muitas vezes a Internet para esclarecer as suas dúvidas. Outro objetivo é, por isso, “apoiar os médicos e restantes profissionais de saúde, que na sua prática diária não têm a possibilidade de recorrer a hospitais terciários ou médicos especialistas, tirando partido de novas tecnologias de informação e comunicação”.

A pesquisa de informação nesta enciclopédia pode ser feita através de quatro formas: procura direta pelo nome, por especialidade, por sinais e sintomas e por regiões anatómicas.

Uma das formas de procurar um determinado artigo na PEDIPEDIA é através da escolha da parte do corpo humano a que se refere.

A enciclopédia foi editada por um grupo de médicos e docentes universitários e envolveu a coordenação de especialistas de cerca de 50 áreas da medicina clínica, assessorados por cerca de 250 profissionais de saúde. Os profissionais de saúde vão editar e atualizar periodicamente o projeto, sendo que os componentes presentes na enciclopédia poderão, no futuro, vir a ser utilizados como textos de apoio nas escolas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
1.647

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)