Irão

Comissão dos Direitos Humanos da ONU pede a Irão fim de detenções arbitrárias

Os 85 países que aprovaram a resolução exortam "veementemente" Teerão a abolir as detenções arbitrárias e a eliminar a discriminação contra as mulheres no país.

ONU considera que há uma "aplicação alarmante" da pena de morte no Irão

ABEDIN TAHERKENAREH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A ONU pediu ao Irão que ponha fim às detenções arbitrárias e expressaram preocupação em relação à “aplicação alarmante” da pena de morte por Teerão.

A assembleia-geral da Comissão da ONU para os Direitos Humanos aprovou também, na quinta-feira, uma resolução, com 85 votos a favor, 30 contra e 68 abstenções, na qual “exortou veementemente” o Irão a eliminar a discriminação contra as mulheres na lei.

Os 85 países que votaram a favor manifestaram uma “séria preocupação com as severas limitações e restrições ao direito à liberdade de pensamento, religião ou crença”.

O Irão, de acordo com a resolução da Comissão dos Direitos Humanos, deve pôr fim às “restrições generalizadas e sérias”, incluindo a liberdade de reunião de opositores políticos, defensores dos direitos humanos, líderes trabalhistas, ambientalistas, académicos, cineastas, jornalistas, entre outros.

Embora a resolução saúde a eliminação da pena de morte para alguns delitos relacionados com drogas, expressou “grande preocupação” com a “alarmante frequência” do uso da pena de morte no Irão, mesmo em casos que envolvem menores.

O vice-embaixador iraniano na ONU, Eshagh al-Habi, desvalorizou a resolução, que apelidou de “charada política”.

“Semelhante a qualquer outro país, deficiências podem existir e estamos determinados a resolvê-las”, disse Eshagh al-Habi, “no entanto, aqueles que tradicionalmente e historicamente apoiaram o colonialismo, a escravatura, o racismo e o apartheid não podem ensinar os direitos humanos aos iranianos”.

O embaixador saudita, Abdallah al-Mouallimi, rival regional do Irão, denunciou que Teerão “abriga terroristas”.

“O povo iraniano continua a sofrer sob um regime que não respeita os direitos humanos, nega as liberdades, persegue as minorias religiosas e raciais”, disse o embaixador saudita.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)