Rádio Observador

Grécia

Governo grego disposto a legislar separação da Igreja do Estado

Apesar da oposição da conferência episcopal helénica, o Governo grego decidiu prosseguir o acordo de 6 de novembro entre o primeiro-ministro Alexis Tsipras e o arcebispo Jerónimo II.

Apesar de a Grécia ser considerada por direito um Estado laico, a Igreja mantém uma vasta influência e detém numerosos privilégios

CLEMENS BILAN/EPA

O Governo grego decidiu esta sexta-feira prosseguir o acordo de 6 de novembro entre o primeiro-ministro Alexis Tsipras e o arcebispo Jerónimo II, primeiro passo para a separação de poderes entre Igreja e Estado, apesar da oposição da conferência episcopal helénica.

O Governo de Tsipras anunciou esta tarde que “vai proceder imediatamente à elaboração de um projeto-lei, na sequência da intenção dos bispos em formarem uma comissão para negociar com o executivo “os temas de interesse comum”.

No entanto, a conferência episcopal da poderosa Igreja Ortodoxa grega rejeitou horas antes um ponto decisivo do acordo, em que se previa que os clérigos deixem de ser considerados funcionários estatais e que o pagamento do seu salário seja garantido por um fundo financiado pelo Estado.

O gabinete do primeiro-ministro definiu o comunicado conjunto de 6 de novembro como “um passo histórico até à racionalização das relações entre Igreja e Estado” e sublinhou que o projeto-lei será transmitido ao comité especial criado pela conferência episcopal antes de ser submetido a votação. No entanto, o executivo fez questão de precisar que “o estatuto dos salários dos funcionários eclesiásticos, em qualquer caso, é responsabilidade e decisão do Estado”.

O acordo entre Tsipras e Jerónimo II pretendia solucionar o velho conflito entre Estado e Igreja, que desde a década de 1950 reivindica milhões de hectares de bosques, terras cultiváveis e milhares de bens imobiliários urbanos, com documentos cuja propriedade é dificilmente comprovável e que incluem decretos de imperadores bizantinos ou de sultões otomanos. A comissão formada pelos bispos para negociar com o Governo destina-se precisamente a abordar a delicada gestão do vasto património imobiliário da Igreja Ortodoxa helénica.

A questão que suscitou divergências entre bispos e clérigos — que pretendem deixar de ser considerados funcionários — permitiria, como anunciou Tsipras citado pela agência noticiosa Efe, a contratação de 10.000 novos empregos públicos, um número considerável num país com um índice de desemprego de 18,9%, e que atinge 36,8% entre os mais jovens.

Apesar de a Grécia ser considerada de jure um Estado laico, a Igreja mantém uma vasta influência e detém numerosos privilégios. A Constituição helénica está redigida “em nome da Santa e Indivisível Trindade”, uma frase que resume o dogma da Igreja Ortodoxa da Grécia.

O Presidente da República também presta juramento “em nome da Santa e Indivisível Trindade” pelo artigo 33.º da Lei fundamental e que, na prática, exclui que seja ateu ou não cristão. Os representantes da Igreja estão ainda presentes em todos os atos públicos do Estado: a sua bênção precede o início das sessões parlamentares, tal como do ano escolar, e o ícone de Jesus está exposto no parlamento e em todas as salas dos tribunais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Incêndios

Verões de fogo /premium

Manuel Villaverde Cabral
116

A descrição dos incêndios na Grécia é em tudo idêntica à dos que ocorreram em Portugal há dois anos, mas aqui morreram ainda mais pessoas. Lá o Syriza perdeu as eleições, aqui o PS vai ganhá-las...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)