Um homem de 51 anos alega que sofreu ferimentos e perda de rendimento no trabalho depois de ter sido “forçado” a sentar-se ao lado de um homem que teria, do seu ponto de vista, excesso de peso. O episódio durante um voo de 12h da British Airways de Bangkok a Londres. O passageiro processou a companhia aérea britânica e pediu uma indemnização de dez mil libras (cerca de 11 mil euros).

Segundo as declarações que deu ao tribunal de Pontypridd, no País de Gales, Stephen Prosser descreveu o passageiro que se sentou ao seu lado como “extremamente grande”, “do tamanho de Jonah Lomu” — um jogador de râguebi –, alegando que este pesava cerca de 140 quilos e media 1,93 metros. “Ele sentou-se com os joelhos encostados ao banco da frente e o resto do corpo estava a transbordar para o meu assento por alguns centímetros”, disse Prosser, acrescentando que percebeu “imediatamente que a viagem iria ser problemática” e que, devido ao peso do passageiro, teve que estar numa “posição anormal”.

Devido ao seu tamanho, quando ele colocava o braço para baixo ficava no meu apoio e acabava por, sem querer, aumentar o volume do meu áudio a um nível extremo cada vez que fazia isto”, descreveu Stephen Prosser.

Segundo o The Guardian, o cliente preferiu não dizer nada ao passageiro durante o voo porque ele parecia estar ciente do excesso de peso, mas reclamou com a tripulação do avião, que lhe terá dito que não existiam mais lugares disponíveis no Boeing 777. O caso ocorreu em 2016, mas só agora está a ser analisado.

Stephen Prosser argumentou ainda que, depois desse voo, ficou com um “espasmo contínuo nas costas”, uma lesão que causou o mau funcionamento da articulação na parte inferior da coluna e agravou uma lesão que já teria na coluna há 12 anos. O engenheiro afirmou ainda que as dores nas costas impediram-no de trabalhar e que ficou sem energia. As maleitas terão também afetado o relacionamento com quem vive e obrigado à desistência da prática de ciclismo de montanha.

Para Timothy Salisbury, representante da British Airways, Prosser exagerou ao comparar o passageiro com um jogador de râguebi que já faleceu e disse que o passageiro “era alto, mas não com excesso de peso”. Já Chris McLindon, gerente de atendimento ao cliente que esteve a bordo do voo, disse que Prosser não parecia estar desconfortável e que “chegou até a adormecer” durante a viagem. O processo continua a ser analisado.