Rádio Observador

Espanha

Livro de crónicas de Javier Marías sobre a atualidade inédito em Portugal

Um livro que reúne artigos publicados por Javier Marías no suplemento dominical do El País, de 2013 a 2015 e que refletem a inquietação civil do autor, foi publicado pela primeira vez em Portugal.

ALESSANDRO DI MARCO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um livro que reúne artigos publicados por Javier Marías no suplemento dominical do El País, de 2013 a 2015, período crítico em Espanha, e que refletem uma crescente inquietação civil do autor, foi publicado pela primeira vez em Portugal.

Editado pela Relógio d’Água, “Juro não dizer nunca a verdade” compila noventa e cinco artigos publicados semanalmente no El País, pelo escritor espanhol, autor de obras como “Assim começa o mal”, no período que vai de 10 de fevereiro de 2013 a 1 de fevereiro de 2015, particularmente difícil em Espanha, e também em Portugal.

Apesar de os temas abordados terem que ver com a sociedade espanhola, a maioria deles tem um interesse geral, na medida em que abordam abusos e a corrupção governamentais, os “lamentáveis hábitos” criados por redes sociais como o Facebook e o Twitter, “os imaginativos atropelos da gramática, o incivismo que impera nos locais públicos, a xenofobia de alguns, a superstição nas estatísticas e percentagens, a praga das ‘selfies’ nos museus e a invasão da televisão por programas de culinária”, refere a editora.

Nestes textos, Javier Marías revela também os seus gostos e afinidades, dos clássicos de cinema a filmes recentes, as suas principais referências literárias, e a origem do seu Reino de Redonda, onde os nobres são escolhidos pelos talentos revelados na escrita e noutras formas de arte.

O escritor espanhol tem como tradição escolher para título destas compilações o título de um desses textos.

Neste caso, o escolhido foi “Juro não dizer nunca a verdade”, um artigo que confronta o propósito de nunca mentir com o comportamento mórbido de o fazer incessantemente, como acontece sobretudo com os políticos.

“Nos quase cem artigos que compõem este volume, os leitores encontrarão o autor em plena forma, irónico e gracejador sempre que convém sê-lo; a voz sábia de Javier Marías que foge do traço grosso e que matiza e argumenta; a voz culta que consegue fazer-se entender por todos”, segundo a nota do editor original da obra em espanhol.

Do mesmo autor, chegou às livrarias, no final de outubro, outro livro inédito em Portugal, o romance “Berta Isla”, editado pela Alfaguara, que venceu o Prémio Nacional da Crítica, em Espanha, e foi eleito “Melhor livro do ano” pelo El País.

Este romance trata de uma história de amor entre Berta Isla e Tomás Nevinson, que se conhecem muito jovens, em Madrid, e rapidamente decidem passar o resto da vida juntos.

O que não podiam adivinhar, enquanto estudantes no dealbar da idade adulta, era que o futuro lhes reservava uma convivência intermitente, pontuada por um desaparecimento.

Berta casou-se com Tomás pensando que o conhecia desde sempre, convencida de ter encontrado o seu destino, mas, na realidade, não sabia nada verdadeiramente importante sobre ele.

Tomás escondia-lhe algo que não podia partilhar com ninguém, nem mesmo com ela. No tempo em que fora estudante em Oxford, um acidente num “dia estúpido” mudou tudo e condicionou a sua vida para sempre, e a de Berta também.

Esta é “a história de um homem que quer intervir na História, acabando desterrado do mundo”. “É a história de uma mulher que espera por uma vida completa e, nessa espera, se transforma. É sobretudo uma história da fragilidade e tenacidade de uma relação condenada ao segredo, ao fingimento, ao desencontro; uma história de amor em que lealdade e ressentimento se entrelaçam”, descreve a editora.

Nascido em Madrid, em 1951, Javier Marías é um escritor multipremiado e um dos mais destacados autores espanhóis da atualidade, tendo publicado, entre outros romances, livros de contos e de ensaio, como “Assim começa o mal”, “Os enamoramentos”, “Coração tão branco”, “Amanhã na batalha pensa em mim” e a trilogia “O teu rosto amanhã”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)