Ministério da Cultura

Ministra da Cultura defende existência de políticas públicas para exportação no setor

496

A ministra da Cultura defende a exportação da cultura nacional, especialmente da música, pelas mais valias económicas que a internacionalização representa para os artistas e para o país.

Graça Fonseca considera que "Portugal é um país rico em talento, história, criadores e programadores"

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A ministra da Cultura considerou esta sexta-feira, em Leiria, ser “muito importante” a existência de uma política pública para a exportação da cultura nacional, especialmente da música, pelas mais valias económicas que a internacionalização representa para os artistas e para o país.

Graça Fonseca, que esteve no encerramento da Why Portugal Music Conference, considerou que “Portugal é um país rico em talento, história, criadores e programadores, mas é um país pequeno, pela sua geografia”. Por isso é “muito importante conseguirmos abrir novos mercados e conseguirmos perceber que a cultura tem de ser atravessada por lógicas de posicionamento internacional”.

“Se conseguirmos posicionar [internacionalmente] os nossos criadores e artistas, isso tem impacto económico para os próprios e também para o país”, sublinhou a ministra, defendendo que “o apoio à abertura de outros mercados e de outros públicos a autores e criadores portugueses é absolutamente decisivo e fundamental para a forma como posicionamos as indústrias culturais”.

No culminar do encontro que reuniu diversos agentes nacionais ligados à música, ao longo de dois dias de discussão sobre a internacionalização do setor, Graça Fonseca enalteceu o trabalho da associação Why Portugal, que visa a promoção da exportação musical portuguesa:

“É fundamental, cada vez mais, perceber os cruzamentos que existem entre a economia e a cultura e a cultura e a economia. A forma com a Why Portugal o tem feito é muito profissional e empreendedora. Não há muitos projetos em Portugal, nomeadamente na área da cultura, que consigam estes resultados num tão curto espaço de tempo”.

A ministra da Cultura enalteceu ainda o facto de a associação estar “fora de Lisboa” e de ter uma prática “tão extraordinariamente empreendedora”, estendendo o elogio “à qualidade dos nossos artistas”, que se “não fosse tão extraordinariamente boa, provavelmente a Why Portugal não tinha matéria prima para conseguir tão bons resultados em tão pouco tempo”.

“Espero que continuem a crescer com até agora, Portugal agradece”, terminou Graça Fonseca, deixando “um desafio”: “Que em 2019 encontremos um projeto, um momento, algo que possamos fazer em conjunto, entre a Why Portugal e o Ministério da Cultura. Esta é uma área que queremos trazer para a intervenção em política pública de cultura. As indústrias criativas são inescapáveis ao que deve ser uma política pública de cultura e a música é um player fundamental”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imprensa

Carta à Senhora Ministra da Cultura

José Pinto
1.251

Queria apenas avisá-la de que, quando regressar de Guadalajara, a tourada que desencadeou ainda estará na praça pública. E, já agora, nos jornais nacionais. A liberdade, felizmente, tem destas coisas.

PSD/CDS

Os problemas da Direita: a liderança

Fernando Leal da Costa

O PSD precisa de um líder e não de um patrão. Até pode ser Rui Rio, não digo que não, mas isso obrigava-o a transmitir a ideia de que está confortável e seguro no cargo. Não parece ser o caso.

Saúde

Anatomia de uma greve

Luís Lopes Pereira

Não podemos manter greves – principalmente na prestação de cuidados de saúde – com um caráter tão indefinido no tempo como as que presenciamos, pois doutra forma teremos a morte anunciada do SNS.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro
181

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)