Política

Polícia albanesa confirma que ex-primeiro-ministro macedónio atravessou fronteira “a pé”

A polícia confirma que o ex-primeiro-ministro da Macedónia, em fuga do seu país para escapar à prisão e atualmente na Hungria, entrou clandestinamente na Albânia e atravessou a fronteira a pé.

Nicola Gruevski, ex-primeiro-ministro da Macedonia, está indiciado em processos por corrupção, abuso de poder ou escutas ilegais.

GEORGI LICOVSKI/EPA

A polícia albanesa confirmou esta sexta-feira que o ex-primeiro-ministro da Macedónia, em fuga do seu país para escapar à prisão e atualmente na Hungria onde solicitou asilo político, entrou sem dúvida clandestinamente na Albânia e atravessou a fronteira a pé.

“(Nicola) Gruevski conseguiu entrar clandestinamente na Albânia” e “atravessou a pé a fronteira (…) decerto para não atrair atenções”, afirmou à agência noticiosa AFP o porta-voz da polícia, Gentian Mullai, precisando que nenhum posto fronteiriço entre a Macedónia e o seu país foi informado da sua chegada.

Na quinta-feira, a polícia albanesa tinha indicado que Nikola Gruevski, 48 anos, tinha deixado o país no passado domingo em direção ao Montenegro a bordo de numa viatura da embaixada da Hungria em Tirana. Terá também sido transportado até à fronteira macedónio-albanesa por um carro com matrícula diplomática húngara. Atualmente na Hungria, solicitou asilo político ao considerar ser vítima de perseguição, após a confirmação em apelo de uma pena de dois anos de prisão por abuso de poder.

A revelação pela Albânia da partida do antigo responsável numa viatura diplomática húngara é muito incómoda para Budapeste, por reforçar as suspeitas sobre uma participação ativa das autoridades deste país da União Europeia no plano de fuga de Gruevski. O chefe do Governo húngaro, Viktor Orban, mantinha relações políticas próximas com Gruevski, no poder entre 2006 e 1016, e ambos representantes de uma direita autoritária, nacionalista e anti-imigração.

Segundo o diário montenegrino Vijesti, que cita uma fonte da direção da polícia, na sua entrada no Montenegro e na sua saída para a Sérvia — que faz fronteira a norte com a Hungria — Nikola Gruevski estava acompanhado por pessoas com passaporte diplomático húngaro, e a bordo de uma viatura com matrícula magiar.

Responsáveis da polícia montenegrina também confirmaram a entrada de Gruevski no país no passado domingo, e a sua saída no próprio dia, mas sem especificarem em que direção. A polícia sérvia e a embaixada húngara em Belgrado ainda não reagiram a estas informações, refere a AFP.

Antigo líder do partido VMRO-DPMNE (direita), Nikola Gruevski foi condenado por ter recebido para uso pessoal um Mercedes avaliado em 600.000 euros, pago com dinheiros públicos. Está ainda indiciado em outros cinco processos por corrupção, abuso de poder ou escutas ilegais.

Um porta-voz da Comissão europeia, apesar de recusar comentar “um processo judicial em curso”, pediu a “todas as partes envolvidas para atuarem estritamente segundo as regras em vigor”. “O respeito pelo direito internacional é o mínimo que esperamos da Hungria”, comentou por sua vez o primeiro-ministro social-democrata macedónio, Zoran Zaev, adversário político de longa data de Gruevski.

O ex-líder macedónio em fuga é um crítico do acordo concluído por Zaev com o seu homólogo grego Aléxis Tsipras sobre a nova designação do país como “República da Macedónia do Norte”, destinado a encerrar um conflito político-diplomático de 25 anos entre Atenas de Skopje.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
255

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Crónica

Levá-los a sério? /premium

Paulo Tunhas

Até que ponto vale a pena levar as coisas a sério quando tudo parece uma farsa generalizada em que a classe política parece sobretudo interessada em não nos fazer o favor de se preocupar connosco?

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)