O primeiro-ministro, António Costa, expressou este sábado o seu “profundo pesar” pela morte de Loureiro dos Santos, considerando que o general deixou uma “marca indelével na construção e consolidação” da democracia portuguesa.

“O general Loureiro dos Santos deixou uma marca indelével na construção e consolidação da nossa democracia”, vincou o também secretário-geral do PS, que falava aos jornalistas antes de um almoço com militantes socialistas, em Coimbra.

José Loureiro dos Santos, antigo ministro da Defesa Nacional e ex-chefe do Estado-Maior do Exército, morreu hoje em Lisboa, aos 82 anos, vítima de doença, disse à agência Lusa fonte da família.

António Costa salientou o facto de o general, já depois de ter terminado a sua prestação de serviço, ter prosseguido com “uma reflexão sempre muito ativa, muito inteligente, muito informada sobre a inserção geoestratégica de Portugal”.

“Deu grandes contributos para a definição da nossa política externa e agora deixa-nos com muita saudade”, disse o primeiro-ministro.

Nascido em Vilela do Douro, concelho de Sabrosa, no distrito de Vila Real, em 2 de setembro de 1936, José Alberto Loureiro dos Santos foi ministro da Defesa Nacional entre 1978 e 1980 nos IV e V Governos Constitucionais, chefiados por Carlos Mota Pinto e Maria de Lourdes Pintasilgo, ambos executivos de iniciativa presidencial de Ramalho Eanes.

Militar do ramo de artilharia, Loureiro dos Santos foi vice-Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, em 1977, e Chefe do Estado-Maior do Exército.