Arábia Saudita

CIA conclui que príncipe herdeiro saudita terá dado ordem para matar jornalista

127

CIA conclui que príncipe saudita instou o irmão, embaixador nos EUA, a convencer Khashoggi a ir ao consulado turco onde foi morto. Administração de Trump, contudo, diz que ainda não há conclusão final

AFP/Getty Images

A agência de serviços de informação dos Estados Unidos, a CIA, concluiu que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, foi quem deu a ordem para o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado do país em Istambul, na Turquia.

Apesar do relatório detalhado da CIA, cujas conclusões já foram apresentadas ao Congresso e ao Departamento de Estado norte-americano, e apesar da pressão crescente, a administração Trump recusa confirmar que foi MBS (o príncipe herdeiro saudita) quem mandatou o crime, negando que as conclusões da CIA sejam as conclusões finais.

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert, emitiu entretanto um comunicado a sublinhar que as autoridades dos EUA ainda não chegaram à conclusão final sobre o caso: “Há inúmeras questões ainda por resolver”, diz, garantindo que “as notícias que indicam que o governo tem uma conclusão final não estão corretas”. No final, uma nota importante: enquanto decorrem as averiguações, “a relação de importância estratégica entre os EUA e a Arábia Saudita manter-se-á”.

Segundo o Washington Post, a avaliação feita pela CIA é a mais definitiva no envolvimento do príncipe na operação dos serviços secretos da Arábia Saudita e contraria a tese das autoridades sauditas, que aponta para o não envolvimento de Mohammed bin Salman na morte do jornalista, que não vivia no país. Este relatório vai complicar os esforços da administração Trump para manter as boas relações com o seu aliado mais forte na região.

Jamal Khashoggi desapareceu depois de entrar no consulado da Arábia Saudita no mês passado para tratar dos documentos para casar com uma cidadã turca. As autoridades sauditas demoraram a reconhecer que o jornalista tinha morrido no consulado, mas acabaram por conduzir uma investigação que levou à acusação de vários sauditas que estiveram no local.

Para chegar às conclusões agora divulgadas pelo Washington Post, a CIA examinou diversas fontes de serviços de informação, incluindo um telefonema trocado entre o irmão do príncipe, que é embaixador da Arábia Saudita nos Estados Unidos, e o jornalista. Nesta conversa Khalid bin Salman terá dito a Khashoggi, um colunista do Washington Post, que deveria ir ao consulado saudita em Istambul para levantar os documentos, tendo-lhe assegurado que tal seria seguro.

Não fica contudo claro se o irmão do príncipe herdeiro sabia que Khashoggi seria morto, mas a CIA está convencida de que terá feito o telefonema por indicação do príncipe, de acordo com as fontes citadas pelo jornal, uma vez que a chamada foi intercetada pelos serviços secretos americanos. Um porta-voz da embaixada saudita em Washington garante que o embaixador e Khashoggi nunca discutiram nada relacionado com deslocações na Turquia, considerando que as informações atribuídas à CIA são falsas.

*Artigo atualizado às 22h de sábado, com a informação de que o Departamento de Estado nega que as conclusões da CIA sejam as conclusões finais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)