Rádio Observador

República Centro Africana

República Centro Africana. Ex-líder de milícia conhecido como “Rambo” vai ser julgado por Tribunal Penal Internacional

"Rambo" é acusado de liderar mais de 3 mil elementos de uma milícia cristã que conduzia ataques contra a população muçulmana do país.

AFP/Getty Images

Um antigo líder de uma milícia da República Centro-Africana (RCA) foi extraditado e vai ser julgado no Tribunal Penal Internacional, em Haia, na Holanda, para reforçar “a causa de justiça”, informou este domingo uma procuradora deste tribunal.

“A entrega deste suspeito [Alfred Yekatom] é um avanço na causa de justiça da República Centro-Africana”, afirmou a procuradora do Tribunal Penal Internacional (TPI) Fatou Bensouda, citada pela agência France-Presse.

Alfred Yekatom, mais conhecido como “Rambo”, antigo líder de uma milícia, vai ser julgado “por ser, alegadamente, responsável por crimes de guerra e contra a humanidade”, cometidos entre dezembro de 2013 e agosto de 2014, informou o TPI.

“Rambo” é acusado de liderar mais de 3 mil elementos de uma milícia cristã que conduzia ataques contra a população muçulmana do país.

É a primeira extradição desde o início da investigação à República Centro-Africana, em setembro de 2014.

“O povo centro-africano sofreu e suportou crimes atrozes num dos conflitos mais violentos do século”, salientou Fatou Bensouda.

A procuradora vincou também que o gabinete que coordena vai continuar a “procurar a verdade e justiça de acordo com os Estatutos de Roma [o tratado no qual foi assente o Tribunal Penal Internacional]”.

O avião no qual seguiu Alfred Yekatom – que também foi membro do exército da RCA – deixou Bangui, a capital do país, ao início da tarde, segundo fonte do governo.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-balaka.

O conflito na RCA, que tem o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

A Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) foi enviada para o país em 2014, com o objetivo de preservar os civis da violência.

Portugal participa na MINUSCA com uma força de 156 militares, na maioria paraquedistas, que chegou em setembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)