Obras Públicas

Concursos de obras públicas recuam 26% até setembro para 1.715 milhões de euros

Os concursos de obras públicas até setembro caíram 26% face ao período homólogo, somando 1.715 milhões de euros, informou a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas.

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os concursos de obras públicas até final do terceiro trimestre caíram 26% face ao período homólogo, somando 1.715 milhões de euros, informou esta segunda-feira a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Segundo a edição de outubro do Barómetro das Obras Públicas da AICCOPN, desde janeiro que se verificam “registos homólogos acumulados negativos ao nível das promoções de obras públicas”, numa situação que “já não ocorria desde dezembro de 2015”.

Quanto ao total de contratos celebrados no âmbito de concursos públicos e reportados no Observatório das Obras Públicas, atingiu os 1.076 milhões de euros até setembro, mais 10% face a 2017.

A AICCOPN nota, contudo, que “os contratos celebrados na modalidade de ajuste direto e consulta prévia registam apenas um total de 429 milhões de euros, ou seja, registam um recuo de 29% face ao apurado no mesmo período do ano anterior”.

No seu conjunto, o volume total de contratos celebrados e registados no Observatório das Obras Públicas até final de setembro de 2018 totalizam 1.604 milhões de euros, o que traduz um decréscimo de 5% em termos homólogos.

“Verifica-se, assim, que o andamento do mercado de obras públicas, tanto ao nível dos concursos públicos promovidos, como ao nível da celebração de contratos, regista uma evolução desfavorável nos três primeiros trimestres do corrente ano”, remata a AICCOPN.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)