Literatura

Escritor Jonathan Littell participa sábado em conversa com o público em Lisboa

307

O escritor franco-americano Jonathan Littell é autor de "As Benevolentes", romance vencedor, em 2006, do Prémio Goncourt e do Grande Prémio do Romance da Academia Francesa.

O escritor franco-americano Jonathan Littell, de 51 anos, é um dos membros do júri do Lisbon & Sintra Film Festival, que se prolonga até domingo.

TIM BRAKEMAIER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O escritor franco-americano Jonathan Littell, autor de As Benevolentes, romance vencedor, em 2006, do Prémio Goncourt e do Grande Prémio do Romance da Academia Francesa, protagoniza, no sábado, uma conversa com o público em Lisboa.

Littell, de 51 anos, é um dos membros do júri do Lisbon & Sintra Film Festival, que se prolonga até domingo, e participa numa conversa com o público, no Cinema Monumental, em Lisboa, no sábado, às 18h, sobre o documentário de sua autoria, “Wrong Elements”, anunciaram esta segunda-feira as Publicações D. Quixote, que em 2007 editaram As Benevolentes. O documentário “Wrong Elements” foi apresentado em 2016, no Festival de Cannes, em França, e aborda a temática das crianças que foram usadas como soldados no Uganda.

Recentemente, as Publicações D. Quixote editaram o novo romance de Littell, Uma História Antiga, traduzido para português por João Carlos Alvim, um “livro onde são visíveis as mais profundas emoções humanas: a solidão, a luxúria, o pensamento e o desejo, iluminadas por uma linguagem divertida e inteligente, muitas vezes irónica e sempre desafiante”, segundo a mesma fonte.

A força da prosa de Littell revela-se, tal como em As Benevolentes, na sua admirável capacidade de criar cenas sugestivas que mergulham o leitor na mente do protagonista”, remata a editora do grupo LeYa.

Jonathan Littell nasceu em Nova Iorque, em 1967, obteve a dupla nacionalidade norte-americana e francesa, e, atualmente, vive em Espanha. Littell é ainda autor de diversas obras de não-ficção, nomeadamente, Le sec et l’humide: Une brève incursion en territoire fasciste, Tchétchénie, an III, Carnets de Homs e Triptyque: Trois études sur Francis Bacon, assim como de artigos sobre as guerras na Geórgia, Chechénia, República Democrática do Congo e na Síria, publicados nos jornais Le Monde e The Guardian, entre outros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)