Israel

Israel. Netanyahu consegue evitar colapso do seu governo

Benjamin Netanyahu convenceu dois dos seus ministros a voltar atrás com os pedidos de demissão e evitou o desmembramento do governo israelita e a marcação de eleições antecipadas.

JIM HOLLANDER / POOL/EPA

O governo de Benjamin Netanyahu estava à beira do colapso, mas o primeiro-ministro israelita evitou o seu fim antecipado. No fim da semana passada vários ministros anunciaram que iriam demitir-se na sequência da demissão do então responsável pela pasta da Defesa, Avigdor Lieberman. Foi em conversas individuais e de última hora que o Chefe de Governo conseguiu que os pedidos de renúncia fossem retirados. O Executivo sobrevive assim a uma crise interna que poderia lançar o país num período eleitoral conturbado e, segundo as sondagens, adverso para o partido de Netanyahu.

A incerteza começou na quarta-feira, 14, quando Lieberman anunciou que ia deixar o cargo por não concordar com a estratégia de Defesa Nacional seguida pelo Governo e por sentir que não tinha margem de manobra para tomar as decisões que considerava adequadas. A gota de água foi acordo de cessar-fogo alcançado com as milícias palestinianas, incluindo o Hamas, depois de uma troca de ataques na Faixa de Gaza que se saldou com a morte de 16 pessoas — o registo mais mortífero desde 2014.

Além de ser uma baixa numa pasta central para a governação israelita, esta demissão elevou a crise política de patamar, já que Lieberman é líder do partido nacionalista Israel Beiteinou, parceiro de coligação do Governo. Esta demissão deixou a maioria no Knesset – parlamento – à mercê de um deputado. Mesmo com esta retirada de apoio, Netanyahu conseguia que a sua coligação de governo representasse 61 assentos num hemiciclo de 120.

Seguiram-se dois anúncios de demissão: o do ministro da Educação, Naftali Bennett, que é também líder do terceiro maior partido da coligação de Governo — “Lar Judaico” — e o do ministro da Justiça, Ayelet Shaked, também deste partido. Com a saída destes dois governantes e a consequente perda de maioria parlamentar, a marcação de eleições antecipadas parecia ser inevitável. No entanto, estas duas potenciais demissões acabaram por não ser mais do que ameaças.

Começaram por exigir a pasta da Defesa para poderem continuar no Executivo mas Netanyahu recusou: ele mesmo iria acumular o cargo com o de primeiro-ministro. Apesar da recusa, havia abertura para dialogar. Desde quinta-feira da semana passada que o primeiro-ministro de Israel tentou segurar os dois ministros e ontem à noite conseguiu-o.

“Se as intenções demonstradas pelo primeiro-ministro forem sérias – e eu quero acreditar que as suas palavras de ontem à noite o foram – garanto que vamos suspender, por agora, as nossas exigências políticas e que vamos ajudá-lo na enorme missão de fazer Israel vencer novamente”, anunciou esta segunda-feira Bennet. O ministro da Educação referia-se a uma intervenção de Benjamin Netanyahu, que este domingo alertou para a “irresponsabilidade” de marcar eleições antecipadas numa ltura em que o país atravessa “graves problemas de segurança interna”. Um volte-face que serve para garantir a maioria no parlamento e a sobrevivência do Governo. Pelo menos, “por agora”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)