Poluição

Mais de 11 milhões de toneladas de resíduos movidas com guias eletrónicas este ano

A aplicação obrigatória das guias eletrónicas começou em janeiro deste ano e envolve 80 mil produtores registados, 12 mil transportadores e 3.700 destinos para resíduos.

A maior parte dos resíduos transportados provêm da construção e demolição de estruturas e das instalações de gestão de resíduos.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de onze milhões de toneladas de resíduos circularam este ano em Portugal com guias eletrónicas de transporte, afirmou esta segunda-feira a Agência Portuguesa do Ambiente, que espera um aumento de 20 por cento no próximo ano.

“Conseguimos rastrear a circulação de resíduos em Portugal de uma forma transparente e rápida. Antes, tínhamos guias em papel que chegavam muitas vezes depois de feita a transferência dos resíduos. Hoje, podemos verificar a origem, o destino e as quantidades de resíduos, desde os que produzimos em casa às empresas”, afirmou à Lusa o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta.

A aplicação obrigatória das guias eletrónicas começou em janeiro deste ano e envolve 80 mil produtores registados, 12 mil transportadores e 3.700 destinos para resíduos. De entre o universo de produtores, 420 são responsáveis por cerca de metade do total de toneladas de resíduos movidas.

Diariamente, é submetida uma média de 14 mil guias, o que dá um total de 2,97 milhões de guias este ano, que significou a poupança de três toneladas de papel em relação a antes deste ano, quando era preciso preencher três formulários diferentes. “Antes, pagávamos dois e quatro euros por formulário, hoje custa 80 cêntimos e não há papel, há uma ferramenta eletrónica”. salientou Nuno Lacasta.

A maior parte dos resíduos transportados provêm da construção e demolição de estruturas e das instalações de gestão de resíduos. O presidente da agência ambiental afirmou que o projeto está a “ser visto como uma referência, com vários países e a Comissão Europeia a perguntarem como se faz” e indicou que poderá vir a haver guias eletrónicas para o setor da pecuária e transporte de animais.

Na apresentação do balanço, que decorreu esta segunda-feira no Laboratório Nacional de Engenharia Civil, em Lisboa, o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, indicou que há ainda mais a fazer para reforçar a fiscalização, envolvendo a GNR/SEPNA e a PSP, reconhecendo que ainda “há alguns operadores que querem contornar as suas obrigações”. Os casos de “chico-espertice” são aqueles em que a fiscalização se vai concentrar: “já os identificámos, não vai demorar a irmos à procura deles”, declarou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)