República Centro Africana

Pelo menos 48 mortos em confrontos entre grupos armados na República Centro-Africana

Um balanço anterior dava conta de pelo menos 37 mortos, incluindo dois padres, resultantes de combates entre milícias anti-Balaka e do grupo armado União para a Paz na República Centro-Africana (UPC).

O UPC acusou "bandidos muçulmanos e cristãos" de estarem na origem da violência e referiu ter enviado uma das suas unidades "para que os roubos e as execuções cessassem".

CEMGFA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Pelo menos 48 pessoas morreram nos combates entre grupos armados na semana passada, em Alindao, centro da República Centro-Africana (RCA), segundo um relatório interno da Organização das Nações Unidas (ONU) citado pela France-Presse.

Um balanço anterior dava conta de pelo menos 37 mortos, incluindo dois padres, resultantes de combates, na quinta-feira, entre milícias anti-Balaka, autoproclamadas de autodefesa, e do grupo armado União para a Paz na República Centro-Africana (UPC, na sigla em francês). Em comunicado, o UPC acusou “bandidos muçulmanos e cristãos” de estarem na origem da violência e referiu ter enviado uma das suas unidades “para que os roubos e as execuções cessassem”.

No sábado, o secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, responsabilizou a UPC pelo ataque ao campo de deslocados. Segundo a agência de notícias France-Presse, a igreja de Alindao, o convento e o campo de deslocados na região foram incendiados.

Além dos dois padres, não foi possível confirmar esta segunda-feira se as pessoas mortas eram civis ou combatentes. Cerca de 20 mil pessoas foram deslocadas, de acordo com a ONU.

A França sublinhou esta segunda-feira a “urgência” de a União Africana prosseguir com o processo de paz na República Centro-Africana (RCA), após nova vaga de violência, e saudou a entrega ao Tribunal Penal Internacional de um antigo chefe das milícias.

Os atos de violência registados relevam a urgência de haver progressos na iniciativa africana de paz pela União Africana, e que a França apoia plenamente, tendo em vista atingir o desarmamento efetivo e a desmobilização de grupos armados”, sublinhou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

“É um imperativo que todos os grupos armados em Bangui e no resto do país cessem todas as formas de violência e atividades desestabilizadoras, depondo as armas e empenhando-se sem atrasos e sem condições no processo de paz”, defendeu Agnès von der Mühll.

Alindao tem sido a principal base do UPC, um grupo armado liderado por Ali Darassa, um dos principais grupos da antiga coligação Séléka que derrubou o regime de François Bozizé em 2013.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA), com 160 militares, e lidera a Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana (EUMT-RCA), em que estão presentes 45 militares portugueses.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka. O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O Governo do Presidente Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)