Guiné-Bissau

Presidente da República da Guiné-Bissau promulga o Regulamento Geral da Lei da Terra

O Regulamento Geral da Lei da Terra esteve durante 20 anos a ser discutido, apesar de ter sido aprovado pelo Conselho de Ministros a 22 de novembro de 2017 e assumido pelo atual Governo a 5 de junho.

O chefe de Estado da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, promulgou o Regulamento Geral da Lei da Terra, que esteve durante 20 anos a ser discutido.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O chefe de Estado da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, promulgou esta segunda-feira o Regulamento Geral da Lei da Terra, que esteve durante 20 anos a ser discutido, refere uma nota à imprensa da Presidência guineense.

O regulamento da Lei da Terra foi aprovado pelo Conselho de Ministros a 22 de novembro de 2017 e assumido pelo atual Governo na reunião de Conselho de Ministros de 5 de junho, mas a Lei da Terra data de 1998 e a sua regulamentação deveria ter sido efetivada logo após ter sido publicada no Diário Oficial.

Mas, “imperativos de ordem político-militar e as constantes instabilidades governativas que assolaram o país desde 1998 a esta parte fizeram com que tais desideratos não tivessem sido cumpridos atempadamente”, refere o preâmbulo da reunião de Conselho de Ministros, que aprovou o regulamento.

Segundo a nota à imprensa da Presidência guineense, o regulamento promulgado “trata ao pormenor a aplicação da Lei da Terra”, nomeadamente o uso consuetudinário da terra, concessão rural e de superfície, delimitação das terras das comunidades locais, das comissões fundiárias, registo das terras, terras de pastagem e das instituições competentes em matéria de gestão fundiária.

O regulamento determina também corredores e zonas de reserva de pasto, bem como a hidráulica pastoril, para minimizar conflitos entre criadores de gado e agricultores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)