Rádio Observador

Transportes

Trotinetes elétricas da VOI recebem 50 milhões em investimento para chegar a Portugal

A startup sueca de trotinetes elétricas partilhadas, concorrente da Lime, já está em cidades como Estocolmo e Madrid. Com um investimento de 50 milhões de euros quer entrar em Portugal.

A VOI foi fundada por Fredrik Hjelm, Douglas Stark, Adam Jafer e Filip Lindvall.

VOI/FACEBOOK

As trotinetes elétricas partilhadas chegaram recentemente a Portugal pelas mãos da Lime e, agora, há mais empresas a quererem entrar no país com esta novidade da mobilidade urbana. Uma delas é a VOI Techonlogy, uma startup da Suécia com investidores como Justin Mateen (co-fundador do Tinder) e Nicolas Brusson (co-fundador e presidente executivo da BlaBlaCar). Esta empresa recebeu cerca de 48 milhões de euros de uma ronda de investimento de série A, da Balderton Capital, para “entrar em novos mercados, como Portugal, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França, Alemanha, Itália e Noruega”, informou em comunicado.

Atualmente, a VOI Technology está a recrutar, como é possível ver no Linkedin, um responsável nacional que, entre outras funções, vai escolher os colaboradores para os departamentos de Marketing e operações da empresa em Portugal. Esta expansão, que a empresa afirma que vai ser “rápida, mas sustentada”, promete concorrência para outras plataformas deste tipo de mobilidade que querem também vir para Portugal, como a iomo.

Acreditamos que a utilização das ruas e infra-estruturas das cidades para criar um negócio não pode ser feita sem a total cooperação – e apoio – das cidades em questão”, afirma Fredrik Hjelm, presidente executivo da VOI.

A empresa, que foi a primeira startup europeia a investir nesta nova forma de mobilidade urbana, diz que quer “trabalhar lado a lado com o poder político e decisores para melhorar a rede de transporte local em todas as cidades”.

À semelhança da Lime, que desde outubro está na cidade de Lisboa, as trotinetes da VOI têm um preço base de desbloqueio de um euro e um custo 15 cêntimos por minuto. Atualmente, a empresa já tem mais de 120 mil utilizadores. “As nossas trotinetes elétricas oferecem uma alternativa mais rápida a caminhar, mais simples em comparação com uma bicicleta e mais sustentável do que autocarros, táxis e carros privados movidos a combustíveis fósseis”, afirma o presidente executivo.

O fenómeno das trotinetes elétricas tem chegado a Portugal, para já, através de Lisboa. Se a VOI seguir a tendência, vai ser também a partir da capital do país que vai disponibilizar estes transportes.

O mercado da trotinetes elétricas partilhadas tem crescido exponencialmente desde 2012, quando surgiram em São Francisco, nos Estados Unidos. Mesmo com polémicas sobre a forma como os utilizadores as usam — por vezes sem capacete e deixando-as muitas vezes no meio dos passeios — tem crescido exponencialmente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)