Iémen

Rebeldes e governo do Iémen declaram que aceitam começar negociações de paz

O combate na cidade portuária de Hodeida na noite de segunda-feira entre forças governamentais e rebeldes foram os mais violentos desde a quarta-feira.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Rebeldes e Governo do Iémen prontificaram-se na segunda-feira a colaborar com os esforços de paz da Organização das Nações Unidas, abrindo a via a novas negociações para uma resolução política do conflito, que dura há três anos.

A cidade portuária de Hodeida, que ilustra só por si a complexidade do conflito, conheceu na noite de segunda-feira combates entre forças governamentais e rebeldes, que foram os mais violentos desde a redução de violência ocorrida na quarta-feira.

Estes combates ocorreram na parte oriental da cidade, onde os rebeldes dispararam tiros de artilharia aos quais as tropas do Governo ripostaram, enquanto a aviação da coligação liderada pela Arábia Saudita lançou 12 raides contra posições rebeldes.

Este aumento de violência ocorreu apesar dos apelos à calma e da apresentação no Conselho de Segurança da ONU, pelo Reino Unido, de um projeto de resolução, que instaura uma trégua na cidade e a passagem, sem obstáculos, de ajuda humanitária.

Não foi fixada qualquer data para a votação deste projeto de resolução, que foi apresentado depois de o emissário da ONU, Martin Griffiths, ter proposto a realização de negociações em Estocolmo, na Suécia.

Martin Griffiths disse, na estação televisiva Sky, que pretendia o início das negociações “dentro de algumas semanas”. O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, indicou que poderiam começar no “início de dezembro”.

O Governo do Presidente iemenita, Abd Rabbo Mansour Hadi, apoiado pela Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, declarou que enviaria uma delegação a Estocolmo.

Antes, o chefe rebelde Mohammed Ali al-Houthi exortou os seus seguidores a acabarem com “os tiros de mísseis e drones” e propôs “a cessação de todas as operações militares em todas as frentes”, para mostrar as boas intenções dos rebeldes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
145

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)