Rádio Observador

Iémen

Rebeldes e governo do Iémen declaram que aceitam começar negociações de paz

O combate na cidade portuária de Hodeida na noite de segunda-feira entre forças governamentais e rebeldes foram os mais violentos desde a quarta-feira.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Rebeldes e Governo do Iémen prontificaram-se na segunda-feira a colaborar com os esforços de paz da Organização das Nações Unidas, abrindo a via a novas negociações para uma resolução política do conflito, que dura há três anos.

A cidade portuária de Hodeida, que ilustra só por si a complexidade do conflito, conheceu na noite de segunda-feira combates entre forças governamentais e rebeldes, que foram os mais violentos desde a redução de violência ocorrida na quarta-feira.

Estes combates ocorreram na parte oriental da cidade, onde os rebeldes dispararam tiros de artilharia aos quais as tropas do Governo ripostaram, enquanto a aviação da coligação liderada pela Arábia Saudita lançou 12 raides contra posições rebeldes.

Este aumento de violência ocorreu apesar dos apelos à calma e da apresentação no Conselho de Segurança da ONU, pelo Reino Unido, de um projeto de resolução, que instaura uma trégua na cidade e a passagem, sem obstáculos, de ajuda humanitária.

Não foi fixada qualquer data para a votação deste projeto de resolução, que foi apresentado depois de o emissário da ONU, Martin Griffiths, ter proposto a realização de negociações em Estocolmo, na Suécia.

Martin Griffiths disse, na estação televisiva Sky, que pretendia o início das negociações “dentro de algumas semanas”. O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, indicou que poderiam começar no “início de dezembro”.

O Governo do Presidente iemenita, Abd Rabbo Mansour Hadi, apoiado pela Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, declarou que enviaria uma delegação a Estocolmo.

Antes, o chefe rebelde Mohammed Ali al-Houthi exortou os seus seguidores a acabarem com “os tiros de mísseis e drones” e propôs “a cessação de todas as operações militares em todas as frentes”, para mostrar as boas intenções dos rebeldes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)