Assunção Cristas

Cristas considera que proposta de Orçamento mostra um “profundo desconhecimento” do país

A presidente do CDS-PP sublinhou que o Orçamento "mostra um profundo desconhecimento e uma grande insensibilidade àquilo que é o conjunto do nosso país e as necessidades de coesão territorial".

A presidente do CDS-PP falava numa sessão de apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2019 aos militantes e simpatizantes do CDS-PP, no concelho da Batalha, Leiria

PAULO CUNHA/LUSA

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, considerou esta terça-feira que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) mostra um “profundo desconhecimento” e está de “costas voltadas” para o país.

“É um Orçamento que mostra um profundo desconhecimento e uma grande insensibilidade àquilo que é o conjunto do nosso país e as necessidades de coesão territorial”, afirmou Assunção Cristas, numa sessão de apresentação da proposta de OE2019 aos militantes e simpatizantes do CDS-PP, no concelho da Batalha, distrito de Leiria.

A líder do CDS-PP acrescentou que este é um “Orçamento feito em Lisboa de costas voltadas para o resto do país”. “Basta ver nos passes das áreas metropolitanas. Se há uma política diferente, que seja para todo o país e que não se esqueça o resto do país onde, muitas vezes, não há rede de transportes coletivos sequer para poder fazer este tipo de políticas, mas onde há portagens e o peso do gasóleo e da gasolina a penalizar as empresas e as famílias”, salientou.

Assunção Cristas afirmou também que a proposta do Governo, liderado pelo socialista de António Costa, é “capaz de ficar conhecido para a história como o orçamento da tourada”. “Olhando para o IVA da Cultura, percebemos que há um país em Lisboa que não olha para o resto. Não são só os espetáculos tauromáquicos que estão em causa, mas é tudo o que é espetáculo ao ar livre”, assinalou.

A líder centrista frisou que “basta sair de Lisboa para perceber que a generalidade das manifestações culturais são eventos ao ar livre”. Por isso, “quando aparece uma proposta para afastar a tourada, mas não só, que só fala dos recintos fechados” está a ser excluída “uma grande parte da cultura que é produzida em todo o país”, sublinhou.

Assunção Cristas, que apontou algumas das propostas de alteração ao OE2019 apresentadas pelo partido, considerou “inédito” que o primeiro-ministro “não tenha apresentado” a proposta de OE na Assembleia da República. “É um primeiro-ministro que se esconde e não apresenta o seu Orçamento. Quando houver alterações de regimento havemos de propor que seja obrigatório o primeiro-ministro dar a cara e submeter-se a perguntas sobre o Orçamento do Estado”, revelou.

Ainda sobre a proposta, a presidente do CDS-PP referiu que “diz uma coisa, mas depois vai ser executado de forma muito diferente”. “A verdade é que os orçamentos aprovados não correspondem aos executados e isso sente-se no corte profundíssimo do investimento público que tem impacto em várias áreas, da saúde aos transportes, à manutenção das infraestruturas, naquilo que não se vê e vejam como agora estamos com este drama da estrada que abateu em Borba”, acrescentou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves
384

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)