Estados Unidos da América

Especialistas encontram semelhanças entre incêndios na Califórnia e em Portugal

Os incêndios que assolam a Califórnia, provocando dezenas de mortos e desalojando milhares de famílias, têm várias semelhanças com os fogos em Portugal, indica um relatório de uma agência dos EUA.

PETER DASILVA/EPA

Os incêndios que assolam a Califórnia provocando dezenas de mortos e desalojando milhares de famílias têm várias semelhanças com os fogos em Portugal, indica um relatório de uma agência dos EUA.

A Little Hoover Commission (LHC) — uma agência independente criada para investigar a ação do governo da Califórnia — analisou a vulnerabilidade das florestas da Califórnia e encontrou vários pontos de contacto com as situações de incêndios que afetaram o território português.

Num relatório divulgado em fevereiro, a LHV fez um diagnóstico muito severo sobre a gestão das florestas na Califórnia, concluindo que será preciso um esforço adicional para evitar a perda de grande parte da zona verde daquele Estado e reclamando medidas urgentes.

Os investigadores envolvidos na preparação do relatório “Fire on the mountain: rethinking forest management in the Sierra Nevada” (“Fogo na montanha: repensar a gestão da floresta na Sierra Nevada”, em tradução livre), encontraram diversas semelhanças entre os incêndios que têm afetado a Califórnia e situações como a que em 2017 devastou a zona de Pedrógão Grande e de Góis, em Portugal.

Os especialistas californianos consultaram responsáveis da Comissão Técnica Independente que produziram o relatório sobre o incêndio de Pedrógão Grande, interessando-se pelo que consideraram ser várias coincidências de diagnóstico, atribuídas às semelhanças entre o clima das duas regiões, mas também a idênticas opções de gestão de florestas nos dois países.

O relatório da LHV serviu de base para recentes declarações do Presidente dos EUA, Donald Trump, que acusou o governo da Califórnia de má gestão das florestas.

O relatório, na sequência de graves incêndios em 2017, reconhecia que faltava mais investimento na gestão das florestas, a nível de sensibilização para medidas de prevenção, bem como mais dinheiro para planeamento florestal.

No diagnóstico, o relatório reconhecia condições que os especialistas dizem ser comuns em Portugal e na Califórnia: o aumento das temperaturas médias (que torna as plantas mais secas); diminuição dos níveis de pluviosidade, criando situações de seca prolongada; árvores mais secas e, por isso, mais suscetíveis de arder; elevadas concentrações de árvores (embora este problema seja muito mais relevante na Califórnia do que em Portugal).

O relatório propõe várias recomendações que foram lembradas durante os incêndios deste ano, incluindo melhores processos de planeamento de florestas, alocando mais recursos financeiros para agências de proteção da natureza; educar a população para uso correto das florestas.

Pedro Nava, diretor da Little Hoover Commission, refere na introdução ao relatório dirigido ao governador da Califórnia que há muitos sinais de “má gestão e negligência” na proteção das florestas e, no documento divulgado em fevereiro, reforçava a urgência de medidas, para evitar novas tragédias.

Os incêndios na Califórnia, nas duas últimas semanas, já causaram 84 mortos, destruíram cerca de 15 mil casas e deixaram cerca de 700 pessoas desaparecidas, tornando-se a situação mais destrutiva de sempre na região.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)