O Presidente da República considerou esta quarta-feira, em Sintra, que a Comissão Europeia se mostrou, em termos globais, favorável à proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), e que fez apenas “alguns reparos” específicos. Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a Comissão Europeia “foi a primeira a aceitar a bondade do Orçamento português, ao contrário de outros orçamentos com défices previstos muito elevados, não é o caso de Portugal felizmente”.

O chefe de Estado, que falava à margem da comemoração dos 50 anos do Museu do Ar, na Base Aérea de Sintra, acrescentou que Bruxelas fez o que é costume todos os anos, que são “alguns reparos de natureza específica”, mas “em termos globais mostrou-se favorável ao Orçamento português”.

A Comissão Europeia considerou esta quarta-feira que a proposta de OE2019 coloca um risco de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento, pedindo medidas se estas se revelarem necessárias. O Presidente salientou esperar que a situação de outros países europeus “não afete a situação europeia, porque também se projeta em Portugal”.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) também reviu ligeiramente em baixa o crescimento da economia portuguesa em 2019, para 2,1%, inferior ao estimado pelo Governo (2,2%). Por outro lado, para 2020, a organização está mais otimista do que o Governo, ao prever que o PIB português cresça 1,9% (contra 1,7% estimados pelo executivo).

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o que a OCDE disse “é mais ou menos o que a Comissão Europeia também dizia”, uma vez que “todas as organizações estão a ter algum medo da conjuntura internacional”, porque não se sabe como serão os próximos anos. Perante a incerteza em torno do “efeito da guerra comercial entre os Estados Unidos da América e a China”, e “os efeitos colaterais no comércio mundial e na Europa”, na dúvida as organizações internacionais “têm previsões conservadoras”, frisou.

“Mas nessas previsões conservadoras, Portugal cresce mais do que a média europeia”, argumentou o Presidente, admitindo que “são previsões a esperar o cenário menos bom” quando Portugal deseja “que seja o cenário melhor e que haja bom senso no mundo”.