Depois de uma semana de votos, está escolhida a árvore do ano em Portugal. É uma azinheira, tem 150 anos e uma copa com mais de 20 metros de diâmetro. Com raízes em Alcaria Ruiva, no Alentejo, a árvore foi proposta a concurso pela Câmara Municipal de Mértola. E com 3.445 votos a Azinheira Secular do Monte do Barbeiro tornou-se a grande vencedora deste ano. Cabe-lhe agora representar Portugal no concurso Árvore Europeia do Ano.

A concurso estavam dez finalistas, numa lista onde não faltava diversidade e onde surgiam, por exemplo, uma aroeira, uma tuia-gigante e um dragoeiro. O segundo lugar, com 2.989 votos, foi também para o Alentejo, para o Plátano do Rossio, em Portalegre, com 180 anos. Plantada em 1838 pelo botânico José Maria Grande é a mais antiga árvore classificada de interesse público portuguesa.

A medalha de bronze foi para o Quercus do ISA, um carvalho-português, em Lisboa. A árvore, com 90 anos, chegou ao Instituto Superior de Agronomia em 1930, vindo das matas do Vimeiro. Conseguiu 1.667 votos.