No final da semana passada, Francisco Salgado Zenha, vice do Sporting e administrador da SAD, lamentava a falta de promoção por parte dos três principais bancos do empréstimo obrigacionista da sociedade verde e branca. “Não sei qual o motivo, sei que, objetivamente, vejo outros empréstimos obrigacionistas que estão a decorrer ao mesmo tempo e que estão a ser publicitados e as pessoas não têm conhecimento deste”, referia, aludindo à operação da Mota-Engil. Frederico Varandas, presidente do clube e da SAD, ia mais longe e pedia o apoio dos adeptos num contexto desfavorável sem nomear os inimigos.

Sporting SAD admite falta de apoio da banca no empréstimo obrigacionista

“Apesar das facadas que foram dadas no coração do Sporting, quando se diz de forma impune e irresponsável que a SAD está em falência ou insolvência, apesar de todas as manobras incríveis, que jamais podia acreditar que pudessem ser feitas para que não houvesse empréstimo obrigacionista, com os brutais prejuízos para o próprio Sporting, apesar de tudo isso, conseguimos fazer e lançar o empréstimo obrigacionista. Saibamos dar provas de amor ao Sporting, principalmente quando mais precisa: nestes próximos dias, pelo Sporting e só pelo Sporting, todos têm oportunidade de fazer o que puderem. Estes órgãos sociais irão subscrever. Se cada sportinguista subscrever o valor mínimo de 100 euros, correspondendo a 20 obrigações, daremos uma enorme demonstração de força ao país e ao mundo”, referiu o líder no jantar dos Rugidos do Leão, em Leiria.

“Têm sido dias e noites a lutar com situações muito complicadas”, diz Frederico Varandas

A estratégia do Sporting tornou-se mais agressiva perante os primeiros números apurados, sobretudo os 11,5 milhões que se registavam na noite de segunda-feira que colocavam até em causa o próprio lançamento do empréstimo obrigacionista, por estar ainda a 23,2% do valor mínimo de subscrição da oferta, lançada com 30 milhões a uma taxa de juro de 5,25%. Publicidade à parte – e o investimento aumentou e muito em relação ao que estava inicialmente previsto –, houve o encontro em Alvalade com um grupo de personalidades ligadas ao mundo empresarial e financeiro, entre eles dois antigos presidentes (José Roquette e Filipe Soares Franco); o apelo através das redes sociais de atuais e antigos jogadores, como Rui Patrício ou William Carvalho; e várias intervenções públicas de figuras do clube, entre as quais João Benedito, candidato nas últimas eleições. Os resultados surgiram mesmo, com cerca de 14,6 milhões subscritos em menos de três dias.

Grupo de notáveis do Sporting subscreve obrigações da SAD. Já foram subscritos 11,5 milhões do empréstimo obrigacionista

“No final do dia de hoje tínhamos 18,980 milhões de euros em ordens subscritas. Passámos largamente o mínimo de 15 milhões e no último dia tivemos cerca de mil subscritores, o que é um número muito relevante. O esforço feito pelos sportinguistas e investidores no geral tem colhido frutos. Recordo a situação que herdámos. Com os acontecimentos anteriores, assim como também o pouco esforço dos bancos em comercializar este empréstimo obrigacionista, este número é excelente. Claro que gostava de ir mais acima mas ainda falta um dia. Destaco por isso a grande mobilização nos últimos dias”, comentou na noite de quarta-feira Francisco Salgado Zenha, em entrevista à Sport TV.

“Sem dúvida que toda a conjuntura que herdámos condiciona a procura, temos de perceber a conjuntura onde estamos. Mas acredito que amanhã o número vai ser ainda mais alto que o de hoje. Foi feito um excelente trabalho, houve uma capacidade de mobilização enorme nos últimos dias. Ricciardi falou num clube à beira do colapso? Também disse que estávamos falidos e vamos emitir o empréstimo…”, acrescentou o administrador da SAD sobre a operação que terminou esta quinta-feira à tarde.

“Não vi buraco ou anormalidade a nível contabilístico. Rescisões? Contactos com clubes têm sido positivos”

“A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD vem, nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248º-A do Código dos Valores Mobiliários, com referência à Oferta Pública de Subscrição ‘SPORTING SAD 2018-2021’, informar o mercado que, até ao final do dia de hoje, 22 de Novembro de 2018 (último dia da Oferta), foram recolhidas intenções de subscrição consubstanciadas em 4.112 ordens, que correspondem a um montante total de € 26.162.035. Os resultados finais da Oferta serão apurados e divulgados amanhã, dia 23 de Novembro, em Sessão Especial da Euronext Lisbon”, anunciou a SAD leonina à CMVM ao final da tarde.

De referir que o atual empréstimo obrigacionista lançado com uma taxa de 5,25% servirá para pagar o anterior obrigacionista, que venceu em maio mas foi adiado para seis meses, até novembro. Caso subsista a diferença entre o valor pretendido e apurado nos resultados finais, a Sporting SAD tem outros meios para fazer face a essa verba previamente delineados, nomeadamente a venda de Rui Patrício ao Wolverhampton que rendeu 14 milhões de euros e não entrou nas contas já apresentadas do primeiro trimestre da sociedade verde e branca, que terminou com o resultado de 16 milhões positivos.