Sindicatos

FESAP lamenta falta de negociação com sindicatos a uma semana da votação final do OE

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública lamentou esta quinta-feira que, a uma semana da votação final global da proposta de Orçamento do Estado para 2019.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) lamentou esta quinta-feira que, a uma semana da votação final global da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2019, as reuniões de negociação ainda não tenham sido retomadas.

A FESAP enviou esta quinta-feira uma carta aberta ao primeiro-ministro, António Costa, onde se queixa de que o Governo não apresentou “uma proposta salarial concreta” nas quatro reuniões negociais que decorreram até 12 de outubro e nem sequer respondeu ao pedido de negociação suplementar apresentado pela estrutura sindical.

Este é um mau exemplo que o Estado dá ao país e aos seus trabalhadores”, salientou José Abraão em conferência de imprensa à margem da reunião do Secretariado Nacional, lembrando que a Lei do Orçamento do Estado para 2019 vai ser aprovada no dia 29 de novembro e os funcionários públicos continuam na incerteza quanto aos seus salários, que não são atualizados desde 2009.

A FESAP considera “lamentável”, “triste” e “preocupante” a postura do Governo e diz que está “cansada” de ouvir os políticos a dizer que negoceiam com os sindicatos, quando não o estão a fazer.

Na carta, a estrutura exige ainda que o Governo abandone o salário mínimo como referência da Administração Pública, de forma a corrigir as injustiças que existem esta quinta-feira na Tabela Remuneratória Única (TSU).

“Vamos lutar para que o Estado siga o exemplo dado já por várias entidades do setor empresarial público que adotaram o salário mínimo nacional (SMN) como referência, optando por negociar e acordar melhores condições para os trabalhadores”, disse José Abraão.

A secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, assegurou na sexta-feira no Parlamento que o tema salarial será discutido na próxima reunião e que o trabalho negocial “está longe de estar concluído”.

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, também classificou esta quinta-feira de “inadmissível” a posição do Governo em não apresentar a proposta de aumentos salariais aos trabalhadores da Administração Pública e em não responder à contraproposta reivindicativa entregue.

“Estamos aqui porque já estamos há mais de um mês à espera que a secretária de Estado da Administração Pública, [Maria de Fátima Fonseca], marque uma reunião para apresentar a proposta de salários e a contraproposta à Proposta Reivindicativa Comum (PRC)”, disse Ana Avoila numa declaração feita aos jornalistas à entrada para o Ministério das Finanças, em Lisboa, onde esteve esta manhã.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)