Jerónimo De Sousa

Jerónimo adivinha Costa a “puxar a brasa à sua sardinha” na comemoração dos três anos de Governo

O secretário-geral do PCP anteviu esta sexta-feira que o primeiro-ministro vá "puxar a brasa à sua sardinha" mas frisou a importância e contributo dos comunistas para os "avanços" alcançados.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PCP anteviu esta sexta-feira que o primeiro-ministro vá “puxar a brasa à sua sardinha”, num evento de comemoração dos três anos de Governo, mas frisou a importância e contributo dos comunistas para os “avanços” alcançados.

“É evidente que o Governo vai puxar a brasa à sua sardinha, tendo em conta elementos positivos que se verificaram durante este mandato”, disse Jerónimo de Sousa, à margem de uma visita à Câmara Municipal do Seixal e contacto com os seus trabalhadores para assinalar a reposição do pagamento na íntegra do 13.º mês (subsídio de Natal), em vez dos duodécimos ao longo do ano.

O líder comunista considerou que “com certeza, [António Costa] haverá de reconhecer que era um Governo minoritário e tais avanços, tal reposição e conquista de direitos, se deve em muito à nova relação de forças existente na Assembleia da República e ao papel do PCP”.

“Consideramos que o balanço é positivo em termos de reposição e conquista de direitos, mas continuamos a ter um problema de fundo: se não conseguirmos libertar-nos das imposições que resultam da União Europeia e do euro…”, alertou.

O secretário-geral dos comunistas lamentou que “mesmo com os avanços, a promoção, no plano do desenvolvimento económico, ainda veio o ralhete e o alerta em relação ao caminho” que o país está a percorrer”, referindo-se a recentes chamadas de atenção das instituições europeias.

Jerónimo de Sousa renovou ainda as críticas sobre a não libertação do executivo socialista das políticas de direita, exemplificando com o processo de resolução do banco Banif e a falta de melhorias na legislação laboral.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)