Rádio Observador

Síria

Raed Fares, radialista e ativista sírio, foi morto a tiro em Idlib

Homens armados que seguiam numa carrinha dispararam sobre Raed e colega. Responsável da Radio Fresh já tinha sobrevivido a atentado do Estado Islâmico e a sequestro de grupo ligado à Al-Qaeda.

Dezenas de sírios quiseram despedir-se no funeral de Raed Fares, realizado esta sexta-feira

AFP/Getty Images

O ativista e rosto da estação de rádio independente Radio Fresh, Raed Fares, foi morto a tiro esta sexta-feira na cidade de Kafranbel, em Idlib, último reduto da oposição ao Presidente sírio Bashar Al-Assad.

Raed, de 46 anos, e o seu colega Hamoud Juneid foram atingidos a tiro por um grupo de homens que seguiam numa carrinha e que dispararam contra os dois homens, segundo informações da própria Fresh. O relato foi confirmado por uma testemunha ao jornal Middle East Eye: “Uma carrinha apareceu a alta velocidade e disparou tiros de metralhadora antes de partir rapidamente”, declarou Salman, professor de matemática em Kafranbel, ao jornal.

Raed ainda foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Hamoud morreu de imediato no local.

O ativista Raed Fares fundou a Radio Fresh em 2013, com o objetivo de criar uma rádio independente que pudesse fazer oposição tanto ao regime de Assad como aos grupos terroristas islâmicos da região. “A verdade é que os sírios são vítimas de duas formas de terrorismo”, declratou o próprio Fares em tempos, citado pelo Guardian. “Por um lado enfrentam o terrorismo de Assad, por outro o do Estado Islâmico e de outros extremistas.”

Devido à sua atividade como radialista, Fares chegou a ser diretamente atacado por vários grupos terroristas. Segundo a Al-Jazeera, Fares sobreviveu a uma tentativa de assassínio por parte do Estado Islâmico em 2014. Dois anos depois, a Frente Al-Nusra (ligada à Al-Qaeda) sequestrou-o e manteve-o detido durante algum tempo.

“Não desistimos, continuamos a emitir a nossa cobertura independente da revolução síria, combatendo o terrorismo e defendendo a tolerância”, afirmou o ativista ao Washington Post em junho. À Al Jazeera, Fares explicou que teria forma de fugir da Síria, mas que se recusava a fazê-lo. A sua intenção, explicou, era a de permanecer na Síria até Assad ser derrotado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)