Síria

Raed Fares, radialista e ativista sírio, foi morto a tiro em Idlib

Homens armados que seguiam numa carrinha dispararam sobre Raed e colega. Responsável da Radio Fresh já tinha sobrevivido a atentado do Estado Islâmico e a sequestro de grupo ligado à Al-Qaeda.

Dezenas de sírios quiseram despedir-se no funeral de Raed Fares, realizado esta sexta-feira

AFP/Getty Images

O ativista e rosto da estação de rádio independente Radio Fresh, Raed Fares, foi morto a tiro esta sexta-feira na cidade de Kafranbel, em Idlib, último reduto da oposição ao Presidente sírio Bashar Al-Assad.

Raed, de 46 anos, e o seu colega Hamoud Juneid foram atingidos a tiro por um grupo de homens que seguiam numa carrinha e que dispararam contra os dois homens, segundo informações da própria Fresh. O relato foi confirmado por uma testemunha ao jornal Middle East Eye: “Uma carrinha apareceu a alta velocidade e disparou tiros de metralhadora antes de partir rapidamente”, declarou Salman, professor de matemática em Kafranbel, ao jornal.

Raed ainda foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Hamoud morreu de imediato no local.

O ativista Raed Fares fundou a Radio Fresh em 2013, com o objetivo de criar uma rádio independente que pudesse fazer oposição tanto ao regime de Assad como aos grupos terroristas islâmicos da região. “A verdade é que os sírios são vítimas de duas formas de terrorismo”, declratou o próprio Fares em tempos, citado pelo Guardian. “Por um lado enfrentam o terrorismo de Assad, por outro o do Estado Islâmico e de outros extremistas.”

Devido à sua atividade como radialista, Fares chegou a ser diretamente atacado por vários grupos terroristas. Segundo a Al-Jazeera, Fares sobreviveu a uma tentativa de assassínio por parte do Estado Islâmico em 2014. Dois anos depois, a Frente Al-Nusra (ligada à Al-Qaeda) sequestrou-o e manteve-o detido durante algum tempo.

“Não desistimos, continuamos a emitir a nossa cobertura independente da revolução síria, combatendo o terrorismo e defendendo a tolerância”, afirmou o ativista ao Washington Post em junho. À Al Jazeera, Fares explicou que teria forma de fugir da Síria, mas que se recusava a fazê-lo. A sua intenção, explicou, era a de permanecer na Síria até Assad ser derrotado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)