Mercado Imobiliário

Mercado imobiliário inglês no Algarve em alta, apesar dos efeitos do Brexit

Mercado imobiliário inglês continua em alta em Portugal, embora com algumas quebras sem grande expressão, apesar dos efeitos do Brexit. Profissionais e empresas do setor defendem cautela no futuro.

JEREMY LEMPIN/EPA

O mercado imobiliário inglês continua em alta em Portugal, embora com algumas quebras sem grande expressão, apesar dos efeitos do Brexit, segundo os profissionais e empresas de mediação do setor, que defendem alguma cautela no futuro.

Nas vésperas do Conselho Europeu extraordinário que deverá aprovar o esboço preliminar alcançado entre Londres e Bruxelas após dois anos de negociações, representantes de profissionais e empresas de mediação do setor imobiliário dizem não “estar preocupados” com os reflexos no mercado inglês em Portugal, nomeadamente no Algarve.

Os profissionais do setor consideram que houve uma quebra mais acentuada nos meses a seguir ao referendo, mas que depois houve uma recuperação e, desde então, regista “altos e baixos” pouco expressivos que estarão relacionados não tanto com o ‘Brexit’, mas com o aparecimento de novos mercados, nomeadamente o francês.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Apemip-Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, Luís Lima, disse que logo a seguir ao referendo do ‘Brexit’, em 2016, notou-se uma quebra de 20 a 30% no mercado inglês, mas que depois recuperou.

Inicialmente houve uma descida que, no meu entender, foi por uma questão emocional e devido à conjuntura do imobiliário de valorização dos ativos que fizeram com que muitos ingleses vendessem. Mas depois melhorou”, explicou.

Apesar de não ter dados oficiais relativamente ao ano de 2018, Luís Lima salienta que “não há nada que aponte para uma situação complicada”. “Não sei o que vai acontecer daqui para a frente, mas o investimento inglês tem-se mantido estável em 2018. (…) Não vi nenhuma saída em bloco dos ingleses do Algarve, eles continuam a comprar e surgiram outras nacionalidades no mercado, na qual se destaca a francesa”, contou.

O presidente da APEMIP adiantou que muitos ingleses têm feito perguntas “nos últimos tempos” para saber o que podem fazer no futuro. “Muitos ingleses estão a preparar uma segunda residência em Portugal que lhes permita circular na União Europeia, que vão deixar de ter”, disse. Questionado sobre o que poderá acontecer após a saída do Reino Unido da União Europeia, Luís Lima considera que a situação tem de ser vista com alguma cautela e sem certezas.

Somos muito cautelosos e depende do que venha acontecer, mas nós temos sempre a hipótese de dar a volta na ótica do imobiliário, pela relação histórica que temos com o mercado inglês. Acho também fundamental que o programa Vistos Gold seja reavivado porque pode vir a ser usado pelos ingleses no futuro”, disse.

“Não devíamos perder o programa Visto Gold que os ingleses não usam agora porque não precisam, mas um dia, mais tarde, pode ser uma excelente arma para nós, para mantermos investimento. Estou sempre a dizer aos agentes políticos para terem cuidado. Eles já o estragaram, pois neste momento, o programa está quase morto”, disse. Na opinião de Luís Lima, o programa “pode ser muito interessante para aquilo que vem aí”.

Também Reinaldo Teixeira, presidente do conselho de administração da Garvetur, empresa do Grupo Garvetur que abrange dezenas de empresas de serviços do imobiliário turístico, residencial e de investimento no Algarve, disse à Lusa que não está preocupado com o ‘Brexit”, porque o mercado inglês é histórico na relação que tem com a região.

“O mercado inglês (…) tem sido o primeiro mercado estrangeiro a nível de turistas e tem sido também o primeiro mercado estrangeiro a comprar. Nos últimos anos registámos também um crescimento grande noutro mercado, nomeadamente o francês”, contou. Apesar de não ter também números concretos para avançar, o responsável explica que a seguir ao referendo houve uma quebra no mercado inglês, tendo recuperado com algumas oscilações.

No entendimento de Reinaldo Teixeira, as quebras não têm tanto a ver com o Brexit, mas com alguns mercados que estavam parados e que voltaram.

“Não sinto quebra significativa. Não acredito que os próximos tempos sejam preocupantes a esse nível. Relativamente ao ruído que se criou com o ‘Brexit’, é nosso dever como empresários e entidades promotoras do país levar a cabo ações ainda mais próximas do mercado inglês”, destacou. “Num contexto da nova realidade, o que podemos fazer é: continuar a alimentar a relação histórica e continuar a divulgar. A situação do ‘Brexit’ não é um fator de distanciamento, muito pelo contrário é de proximidade”, disse.

O referendo decorreu a 23 de junho de 2016 e terminou com uma votação de 52% a favor da saída do Reino Unido e 48% pela permanência e uma taxa de participação de 72% dos 46,5 milhões de eleitores britânicos. Os chefes de Estado e de Governo dos 27 países que permanecerão na União Europeia após o ‘Brexit’ realizam no domingo um Conselho Europeu extraordinário, em que deverão aprovar o esboço preliminar alcançado entre Londres e Bruxelas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)