Tech Auto

Quer baterias baratas? Vá à Tesla, diz um estudo

As baterias são a peça mais cara de um automóvel eléctrico. A grande luta entre os fabricantes não é só pela potência e pela autonomia, mas também pelo custo. A Tesla tem uma vantagem de 33%.

Há duas batalhas sem tréguas entre os fabricantes de veículos eléctricos, que de momento ainda não são muitos, mas é um “clube” que promete crescer exponencialmente nos próximos três anos. A primeira trava-se ao nível da eficiência das baterias de lítio, que depende sobretudo da tecnologia utilizada. Isto tem a ver, por exemplo, com o facto de as células serem cilíndricas, de bolsa ou prismáticas, se o cátodo é de níquel-cobalto-manganês, ou se trocam este último elemento por alumínio, ou se o ânodo é em grafite ou de qualquer outro material menos eficaz.

Como se isto não bastasse, há depois a questão dos custos, que a guerra ao cobalto tem ajudado a diminuir – ou não fosse o elemento mais caro de uma bateria deste tipo -, pela redução da quantidade utilizada. Um estudo agora divulgado, e produzido pelo analista da UBS Colin Langan, mediu o pulso ao custo do kWh junto dos principais fabricantes de células para bateria. E os resultados são mais baixos do que se calculava.

Segundo Langan, comparando as células da Tesla/Panasonic, com as da LG Chem, da Samsung SDI e da CATL (Contemporary Amperex Tecnology), o menor custo por kWh é o obtido pela Gigafactory 1 da Tesla, de onde saem as células cilíndricas 21700 de NCA (níquel-cobalto-óxidos de alumínio). De acordo com o técnico da UBS, o preço médio por kWh na fábrica da Tesla no Nevada é de 111 dólares, o que representa uma redução de 30% quando comparado com o que a Tesla suportava quando construía os packs com células produzidas pela Panasonic no Japão. Ainda assim, a marca americana já anunciou que está a proceder optimizações destas mesmas células para fixar o custo por kWh em 100 dólares (cerca de 88€), valor de que necessita para ser viável propor a versão mais acessível do Model 3 por apenas 35.000$.

De recordar que a Gigafactory 1 da Tesla, fruto de um investimento total de 5 mil milhões de dólares, levou o fabricante japonês de baterias a pagar mil milhões para ser o parceiro  e fornecedor exclusivo, fabricando as células cujos design e tecnologia são desenvolvidos em parceria com o fabricante de automóveis. Contudo, este enorme investimento não provocou, aparentemente, grandes sacrifícios à Panasonic, que ainda recentemente admitiu que a Tesla é o seu cliente mais lucrativo, afirmando que “é mesmo o único contrato de baterias de automóveis de que retiramos uma margem de lucro sólida”.

No ranking da UBS, tornado público pelo Financial Times, o segundo melhor valor pertence à LG Chem, com 148$ por kWh, um valor competitivo, mas ainda assim 33% mais elevado do que a Tesla/Panasonic. Os restantes produtores de baterias, da Samsung à CATL, são ainda mais caros, “oferecendo” à Tesla/Panasonic uma vantagem mínima de 4.000 dólares por pack de 100 kWh. Segundo a UBS, estes quatro fabricantes de baterias vão controlar 70% do mercado em 2025, com Langan a prever igualmente que os custos das baterias vão cair mais 10% nos próximos dois a três anos.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)