O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou esta segunda-feira a competência e profissionalismo dos sargentos do exército, considerando-os fatores decisivos para o sucesso das missões internacionais em que Portugal se tem envolvido.

“A competência e o profissionalismo com que os sargentos têm desempenhado as suas funções tem sido fatores decisivos para o sucesso das missões internacionais que Portugal tem assumido e liderado”, afirmou o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas durante uma visita à Escola de Sargentos do Exército (ESE), nas Caldas da Rainha.

Os sargentos, sustentou Marcelo Rebelo de Sousa, “são o elo fundamental da estrutura do exército e das forças armadas”.

Uma realidade que o Presidente da República disse ter testemunhado nas várias visitas que efetuou “aos teatros de operações” onde as forças armadas nacionais têm sido empenhadas, nomeadamente a Lituânia e a República Centro Africana.

Para isso, contribui, segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a formação ministrada em unidades como “a prestigiadíssima” ESE, um “estabelecimento qualificadíssimo de ensino que tem como desígnio a formação de qualidade”.

Qualidade, sublinhou o Presidente, “desde logo na exigência do ingresso”, que, lembrou, “exige como classificação global nacional uma classificação positiva”.

Um dado vincado depois de o Diário de Notícias ter esta segunda-feira noticiado que o exército autorizou a admissão de candidatos com notas negativas para o atual curso de formação de sargentos dos quadros permanentes, a decorrer desde setembro na ESE.

“A melhor resposta aqueles que apontam, aqui ou ali, numa ou noutra disciplina, na altura do ingresso, ou no percurso dentro da escola, momentos menos felizes” foi, para Marcelo Rebelo de Sousa, voltar ao discurso de “quando era professor” e recordar aquilo que então dizia aos alunos.

“Quantos dos meus colegas e alunos não conheceram pontualmente momentos menos felizes e os ultrapassaram e tiveram percursos notáveis”, questionou, lembrando que alguns terão ido “da exclusão no primeiro ano a professores catedráticos na escola” e outros “a catedráticos na vida”.

Por isso, sublinhou aos alunos da ESE, “a única atitude possível, própria da natureza do ser humano e da natureza da carreira militar, é a atitude da superação, do progresso, da evolução, revelando a capacidade de recuperar e de liderar”.

A visita de Marcelo Rebelo de Sousa à ESE teve por base a apresentação do projeto piloto que está a decorrer naquele estabelecimento e que pela primeira vez habilitará os alunos com formação de nível 5.

O chefe de Estado visitou ainda as instalações do Centro de Línguas do Exército e assistiu a uma demonstração de atividades de treino físico e aplicação militar.